Padrasto que espancou criança de 5 anos nesta quinta-feira em Lavras, assaltou e esfaqueou uma jovem no ano passado

Na época, ele e mais dois comparsas tentaram roubar um celular de uma jovem, ela foi esfaqueada nas costas pelos criminosos

O caso do garoto de 5 anos que foi espancado pela mãe e pelo padrasto, na tarde desta quinta-feira, dia 22, teve desdobramento na tarde de ontem, dia 23.

Na quinta-feira o casal foi detido pela Polícia Militar, a mãe do garoto tem 21 anos e foi presa, já o padrasto tem 16, e por ser menor, foi colocado em liberdade após ser ouvido na Delegacia Regional de Polícia Civil (Depol).

O rapaz voltou para a casa, porém, os vizinhos inconformados tentaram, mais uma vez, linchar o padrasto. A Polícia Militar foi acionada e teve de retirá-lo da casa e leva-lo para outro lugar.

A reportagem do Jornal de Lavras apurou que o padrasto do menino tem passagens pela polícia por lesão, danos, furto e roubo.

A reportagem descobriu também que ele foi alvo de notícia na mídia no ano passado por ter, juntamente com dois comparsas, cometido um crime que também deixou revoltada a população.

Na noite do dia 12 de novembro do ano passado, uma jovem, na época com 25 anos, foi atacada por ladrões quando voltava do trabalho.

A jovem trabalhava em Perdões e morava em Lavras, na Zona Norte da cidade, no bairro Jardim Europa.Regressando do trabalho, ela desceu no ponto de ônibus que existe em frente as ruínas da estação ferroviária de Lavras e, ao atravessar a linha férrea, por volta de 20h50, percebeu que dois marginais com os rostos cobertos por uma blusa amarrada vieram ao seu encontro.

Ela tentou correr, mas foi agarrada por um deles, que tentou roubar seu celular. Assustada, a jovem gritou e isso irritou o marginal que disse: “pare de gritar senão te mato”.

Quando a jovem tentou escapar das mãos do ladrão, ele desferiu um golpe de faca nas costas dela, que mesmo ferida continuou a correr e a gritar, sendo ajudada por membros de uma igreja evangélica próximo ao local do ataque.

A Polícia Militar foi acionada e compareceu rapidamente.Os próprios policiais a levaram para a Santa Casa, onde recebeu pontos no ferimento.

O médico que atendeu a jovem na época disse que a faca atingiu a sua coluna vertebral e que felizmente, não perfurou seu pulmão, o que seria extremamente grave.

Passados seis dias, no dia 18 do mesmo mês, policiais militares foram informados, durante uma operação que realizavam naquela região, sobre a identidade dos criminosos: todos menores de idade, moradores do bairro Cohab e envolvidos com o submundo do crime.

Os policiais tomaram conhecimento também que moradores da região estavam indignados com o que havia ocorrido com a jovem e planejavam linchar os três marginais.

Os policiais, de posse das informações, foram até a residência de dois dos criminosos, um de 15 anos e outro de 17 anos, que ao serem abordados, confessaram o crime e ainda apontaram o nome e o paradeiro do terceiro envolvido, um adolescente de 15 anos.

Detidos eles contaram detalhes do assalto, disseram que estavam com os rostos cobertos por camisas e que a jovem se negou a entregar o aparelho celular para eles, por isso, foi atingida com a faca.

Questionados sobre a faca, disseram que ela estava escondida na casa de um deles e os policiais foram atrás. A faca foi entregue aos militares pelo pai de um dos criminosos

.Os três contaram também que estavam com medo de sofrer represálias por parte dos moradores do bairro, que estavam revoltados com o que aconteceu. Os três menores foram apreendidos e seguiram direto para a 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil (Depol).

Fonte: Jornal de Lavras