Chuva provoca enchentes em Maria da Fé, Itajubá e Cristina

Em Maria da Fé, cerca de 20 casas foram invadidas pelas águas, em Itajubá e Cristina rios transbordaram

Fotos: Redes sociais

Maria da Fé, no Sul de Minas, é conhecida por vários motivos, é uma das maiores produtoras de batata de Minas Gerais, produtora de azeitonas e azeite de oliva e, uma das cidades mais frias do Brasil, mas neste final de semana a cidade ganhou a mídia, não por sua produção de batata, azeitonas ou o seu premiadíssimo azeite e nem pela temperatura abaixo de 0, mas por causa de uma forte e intensa chuva que atingiu o Sul de Minas na madrugada de ontem, domingo, dia 13.

A Defesa Civil informou que choveu cerca de 100 milímetros durante cinco horas em Maria da Fé. Rios e córregos que cortam a cidade transbordaram com o excesso de chuva. Pelo menos, 20 casas foram invadidas pela água. Os bairros mais afetados foram o Distrito de Posses e o bairro Grota. “Esta situação associada à precipitação incidente ou acumulada e a previsão meteorológica indica que podem ocorrer deslizamentos pontuais e induzidos nas áreas de risco”, diz a Defesa Civil.

A Prefeitura de Maria da Fé emitiu nota alertando a população. “As famílias e locais atingidos pela enchente desta madrugada já estão sendo amparadas pela Prefeitura Municipal. Funcionários da Defesa Civil, Assistência Social e Secretaria de Obras já estão nos locais afetados. Agradecemos a compreensão e colaboração de todos”, ressalta nota da Prefeitura de Maria da Fé.

Além de Maria da Fé, Itajubá e Cristina também registraram pontos de alagamentos.

Em Itajubá, o bairro Senhora da Piedade foi alagado por causa do rio Piranguçu, que transbordou o volume de água também atingiu bairros da zona rural a cidade, como Capitubas e Ilhéus. O rio Lourenço Velho também não suportou o volume de água e deixou estragos nos bairros Ano Bom, Gerivá, Juru.

Em Cristina, dois rios transbordaram: rio Lambari e do Bode. Mas naquela cidade a Defesa Civil Informou que não registrou casos de famílias desalojadas em decorrência da tempestade.

Por Jornal de Lavras