MPRJ e Defensoria firmam acordo com Volta Redonda para normalizar serviços no Hospital do Retiro

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da 3ª promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Volta Redonda, a Defensoria Pública do Estado (DPRJ), com o apoio do 2º Núcleo Regional de Tutela Coletiva e o Município de Volta Redonda firmaram, nesta terça-feira (dia 8), um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para a regularização do funcionamento do Hospital Munir Rafful, no Retiro

Pelo acordo, o município de Volta Redonda fica obrigado a adotar, no prazo máximo de três dias, todas as medidas necessárias para garantir o pleno funcionamento da unidade de saúde, desde a contratação de médicos até a compra de insumos, equipamentos, medicamentos e bens necessários.

Considerando o início da nova gestão do município a partir de janeiro de 2021, fica determinado que os profissionais devem ser contratados pelo prazo de seis meses, garantindo assim o atendimento à população.

O descumprimento das medidas estipuladas no TAC poderão implicar na prática de improbidade administrativa pelo prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva (PSC), além de multa diária contra o município no valor de R$ 100 mil para cada um dos itens descumpridos.

A prefeitura assumiu a gestão do Hospital Munir Rafful no dia 1º de dezembro, após o término do contrato com a Organização Social Associação Mahatma Ghandi.

Por Folha do Aço