Resende acumula saldo de quase 300 novos empregos nos últimos meses

O Ministério da Economia, através do Fundo de Amparo ao Trabalhador, divulgou recentemente um balanço da movimentação do mercado de trabalho em todo o país, com dados específicos de cada município brasileiro. O relatório mostra que Resende é uma das cidades que dá sinais de recuperação na economia, abalada em plano mundial por contada pandemia do novo coronavírus. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), Resende conseguiu abrir quase 300 novos empregos entre setembro e outubro. 

A conta usada pelo Ministério da Economia é simples, subtraindo o número de admissões pelo de demissões. Em Resende, ao longo do mês de outubro houve 876 admissões e 636 demissões, o que levou a um saldo positivo de 240 novos empregos gerados. Em setembro, esse saldo também foi positivo, com 56 novos postos de trabalho abertos na cidade. A tendência momentânea do mercado é de recuperação, mas a Prefeitura está redobrando o empenho para que o efeito seja duradouro.  

– Vamos focar muito no trabalho do SINE, bem como buscar agilizar ainda mais a emissão de novos alvarás. O setor de serviços tem sido uma alavanca de empregos e renda. Nós conseguimos estabelecer uma parceria muito sólida com o comércio, principalmente neste momento mais difícil. O contato do governo com a indústria é constante, mesmo sabendo que este setor é fortemente influenciado por fatores externos. De toda forma, esse é um governo que pretende ajudar e dialogar com todos os setores produtivos, pois cada emprego gerado é muito importante – destacou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Tiago Diniz. 

Em setembro, Resende conseguiu registrar números positivos em praticamente todos os setores principais da economia avaliados pelo Caged. Foram 29 empregos gerados a mais que demissões na Indústria, assim como 19 no comércio, 4 em Serviços e 4 na Construção Civil. Em outubro, apesar de uma leve queda na Indústria, o setor de Serviços (178 empregos) e o Comércio (56 empregos) fizeram a diferença. 

Crédito: Gleisiane Carvalho