São Sebastião anuncia retorno aulas presenciais a partir de 1º de fevereiro

O prefeito Felipe Augusto anunciou, nesta sexta-feira (8), o retorno das aulas de forma presencial em São Sebastião, a partir do dia 1 de fevereiro, com 70% da capacidade presencial. 

“Esse retorno será feito de forma responsável e com toda a precaução necessária. Nosso trabalho, nesse enfrentamento à COVID-19, prioriza sempre a saúde, e tudo será feito de forma que preserve nossas crianças”, disse o prefeito Felipe Augusto, que estava em companhia também do vereador Marcos Fuly, dando ciência ao Poder Legislativo do retorno às aulas. 

O informe de que 70% dos alunos retornam à sala de aula está em acordo à classificação de Fase Amarela do Plano São Paulo, explica Gisele Kemp Dantas, dirigente estadual de ensino no Litoral Norte. 

“Assim, que os indicativos retornarem à Fase Verde, essa capacidade presencial será de 100% dos alunos em sala de aula”, conta Gisele. 

De acordo com a dirigente, a escolha dos que serão convocados para o retorno das atividades na unidade escolar obedecerá critérios de avaliações e levantamento da necessidade do próprio aluno, que possa vir a ter dificuldades no acesso remoto às aulas e aos materiais didáticos, e que também não participou efetivamente do último ano letivo na escola. 

Acrescenta ainda que, na rede estadual, as escolas têm sua parte administrativa em funcionamento, e os pais podem procurá-las para confirmar se seu filho(a) está entre os convocados ao retorno em sala de aula. 

Rede municipal – Já a secretária municipal de Educação, Marta Braz, explica que a rede municipal de ensino tem a precaução de evitar pontos de aglomeração nas escolas, e que por isso, as unidades de ensino farão o contato com as famílias dos alunos que serão convocados. 

“No nosso caso, são as escolas que entrarão em contato com os pais e responsáveis dos alunos. Esse retorno será feito com todos os cuidados e de forma coerente como tem sido o empenho empregado até aqui, no enfrentamento à COVID-19”, considerou a secretária. 

Marta explica ainda que essa busca ativa prioriza os alunos que não tiveram acesso, ou com dificuldade, ao ensino remoto, ou que ainda necessitam de reforço escolar.  

“Ao longo do último ano letivo, as escolas realizaram um mapeamento do desempenho de cada aluno, e seu desenvolvimento no ensino remoto. A prioridade será dos alunos que mais precisam”, comentou.

As medidas na rede municipal de ensino foram acompanhadas pela comissão municipal de educação e apreciadas pelo Comitê de Gestão de Crise (CGC).