Com 143 casos confirmados, Ilhabela intensifica combate à Dengue e prevê multa de até R$ 3,5 mil para quem não eliminar criadouros

Ronald Kraag

A Prefeitura de Ilhabela tem reforçado as ações de orientação e combate à Dengue, com a Equipe do Controle de Vetores de Ilhabela (CVI), da Secretaria de Saúde, em visita aos bairros para conscientizar os moradores.

Segundo a prefeitura, a cidade tem risco eminente de uma epidemia, pois somente neste ano, até o dia 25 março, foram confirmados 143 casos.

Ainda de acordo com a prefeitura, “um número alarmante comparado aos anos 2020 com 431 casos confirmados durante toda a temporada”.

 Devido a esta situação, a equipe do CVI, intensifica as ações de combate à Dengue no município com extensão do período de trabalho até às 19h e com visitas aos sábados e domingos.

Os agentes percorrem as ruas do município para conscientizar a população e realizar visitas domiciliares, para verificar a presença de criadouros, pesquisas de pontos estratégicos, bloqueio de transmissão, controle de criadouros, junto ao processo de nebulização que consiste na borrifação do veneno que combate o Aedes aegypti, que elimina a possibilidade do vetor (hospedeiro intermediário) do vírus, pique uma pessoa infectada em outras localidades e transmita para outra saudável.

Caso o morador continue a deixar água parada em sua residência mesmo após a notificação, facilitando a proliferação Aedes aegypti, serão aplicadas multas leves, médias e graves, com valores entre R$ 883,72 e R$ 3.534,88. Para auxiliar no trabalho realizado do CVI, é essencial que os munícipes mantenham os dados cadastrais atualizados com telefone e endereço. 

Para o prefeito Toninho Culucci, todas as secretarias precisam de envolver nas ações. “Os casos de dengue seguem aumentando na cidade e tornando-se uma de nossas maiores preocupações, se realizarmos a limpeza de locais para evitar a proliferação do mosquito da dengue, estaremos ajudando uns aos outros”, afirma Toninho.

O que é Dengue?

É uma doença infecciosa febril causada por um arbovírus, sendo um dos principais problemas de saúde pública no mundo. Ela é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectado. 

A primeira manifestação da dengue é a febre alta de início abrupta, que tem duração de 2 a 7 dias, associada à dor de cabeça, fraqueza, a dores no corpo, nas articulações e no fundo dos olhos. Manchas pelo corpo estão presentes, podendo atingir face, tronco, braços e pernas. Perda de apetite, náuseas e vômitos também podem estar presentes.

 Orientações para evitar a proliferação do Aedes aegypti:

• evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;

• guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;

• mantenha lixeiras tampadas;

• deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;

• plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;

• trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;

• mantenha ralos fechados e desentupidos;

• lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;

• retire a água acumulada em lajes;

• dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em banheiros pouco usados;

• mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;

• evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;

• denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;

• caso apresente sintomas, procure uma unidade de saúde para o atendimento

A Prefeitura de Ilhabela tem reforçado as ações de orientação sobre os cuidados que devem ser tomados no combate à dengue, enviando a Equipe do Controle de Vetores de Ilhabela (CVI), da Secretaria de Saúde para conscientizar os munícipes.

Ilhabela caminha para o risco eminente para uma epidemia, somente neste ano, até o dia 25 março, foram confirmados 143 casos de dengue na cidade, um número alarmante comparado aos anos 2020 com 431 casos confirmados durante toda a temporada, devido a isso a equipe do CVI, está intensificando as ações de combate à dengue no município com extensão do período de trabalho até às 19h e com visitas aos sábados e domingos.

Os CVI’s percorrem as ruas do município para conscientizar a população e realizar visitas domiciliares, para verificar a presença de criadouros, pesquisas de pontos estratégicos, bloqueio de transmissão, controle de criadouros, junto ao processo de nebulização que consiste na borrifação do veneno que combate o Aedes aegypti, que elimina a possibilidade do vetor (hospedeiro intermediário) do vírus, pique uma pessoa infectada em outras localidades e transmita para outra saudável.

Caso o morador continue a deixar água parada em sua residência mesmo após a notificação, facilitando a proliferação Aedes aegypti, serão aplicadas multas leves, médias e graves, com valores entre R$883,72 e 3.534,88.

Para auxiliar no trabalho realizado pelos CVI’s é essencial que os munícipes mantenham os dados cadastrais atualizados com telefone e endereço.

Para o Prefeito Toninho Culucci, todas as secretarias precisam de envolver nas ações. “Os casos de dengue seguem aumentando na cidade e tornando-se uma de nossas maiores preocupações, se realizarmos a limpeza de locais para evitar a proliferação do mosquito da dengue, estaremos ajudando uns aos outros”, afirma Toninho.

O que é dengue?

É uma doença infecciosa febril causada por um arbovírus, sendo um dos principais problemas de saúde pública no mundo. Ela é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectado. 

A primeira manifestação da dengue é a febre alta de início abrupta, que tem duração de 2 a 7 dias, associada à dor de cabeça, fraqueza, a dores no corpo, nas articulações e no fundo dos olhos. Manchas pelo corpo estão presentes, podendo atingir face, tronco, braços e pernas. Perda de apetite, náuseas e vômitos também podem estar presentes.

Orientações para evitar a proliferação do Aedes aegypti:

• evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;

• guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;

• mantenha lixeiras tampadas;

• deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;

• plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;

• trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;

• mantenha ralos fechados e desentupidos;

• lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;

• retire a água acumulada em lajes;

• dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em banheiros pouco usados;

• mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;

• evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;

• denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;

• caso apresente sintomas, procure uma unidade de saúde para o atendimento

Por Radar Litoral