Covid: com avanço de mortes, funerárias são orientadas a triplicar estoque de caixões

A Covid-19 segue avançando pelo país, que bate recordes nos números de casos e de mortes, o que pressiona, além do sistema de saúde, toda a infraestrutura funerária.

Para evitar cenas dramáticas, como filas de carros funerários na porta de cemitérios e enterros em valas coletivas, e impedir que faltem itens, como os próprios caixões, a Associação de Empresas e Diretores do Setor Funerário (Abredif) emitiu um alerta a filiados de todo o Brasil, para a adoção de um plano de emergência.

“É angustiante a situação, porque há uma linha crescente de mortes. O sistema até tem capacidade para aguentar, mas não queremos testar nosso limite, porque ele é a porta do fim do mundo”, afirmou Lourival Panhozzi, presidente da entidade, em entrevista ao Metrópoles, por telefone.

Com mais 2.648 óbitos registrados na quarta-feira (dia 17), a média móvel de mortes causadas pela Covid-19 no Brasil bateu mais um recorde, chegando a 2.017 a cada 24 horas. O indicador, em comparação com o verificado há 14 dias, subiu 49%.

O plano de emergência enviado às funerárias prevê recomendações como preparar um estoque de, no mínimo, três vezes o volume médio mensal de itens como urnas funerárias, máscaras e luvas. As empresas também foram orientadas a suspender férias de funcionários e até convocar de volta quem estiver afastado por esse motivo.

“Pedi ainda para fazer um estudo sobre a capacidade dos cemitérios da região e também num raio de 50 km, para gerir a situação e evitar o uso de valas comuns, que são uma agressão”, ressalta Panhozzi, explicando que enterros poderão ser realizados em cidades vizinhas às do morto, para garantir atendimento a todos.

“O objetivo é evitar muitos sepultamentos simultâneos em uma localidade, porque é isso que sobrecarrega”, completa ele.

Ainda segundo o representante das funerárias, é remota, mas não descartada, a chance de o Brasil viver de novo uma crise como a de Manaus ainda no começo de 2020, quando chegaram a faltar caixões.

Com informações do Metrópoles
Foto: Fernando Crispim/Amazonia Real