Um dia após recorde diário de mortes por Covid-19, Bolsonaro diz que ‘criaram pânico’

Um dia depois de o país registrar novo recorde de mortes diárias causadas pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro falou a apoiadores sobre a pandemia. “Criaram pânico, né? O problema está aí, lamentamos. Mas você não pode entrar em pânico. Que nem a política, de novo, do ‘fique em casa’. O pessoal vai morrer de fome, de depressão?”

Bolsonaro fez o comentário em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, em Brasília. O vídeo com o diálogo foi divulgado em redes sociais.

O presidente voltou a criticar a imprensa. Segundo ele, “para a mídia, o vírus sou eu.”

De acordo com levantamento do consórcio de veículos de imprensa, o Brasil registrou 1.726 mortes pela Covid-19 na terça, recorde desde o início da pandemia. Com isso, o país chegou ao total de 257.562 óbitos desde o começo da pandemia.

A média móvel de mortes no Brasil nos últimos sete dias até terça chegou a 1.274, aumento de 23% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de alta nos óbitos pela doença.

Nos últimos dias, estados anunciaram novas medidas de restrição para tentar conter o avanço da doença e o risco de colapso no sistema de saúde. Em boa parte deles, a ocupação de leitos de UTI por pacientes graves de Covid-19 está próxima de 100%.

Mais tarde, após um almoço com o embaixador do Kuwait no Brasil, Bolsonaro falou com a imprensa e voltou a comentar a pandemia no país.

“A economia tem que pegar. Alguns falam que eu não estou preocupado com mortes. Estou preocupado com mortes, mas emprego também é vida. Uma pessoa desempregada entra em depressão, tem problemas, se alimenta mal, é mais propensa a pegar outras doenças”, disse o presidente.

Bolsonaro foi questionado sobre a possibilidade a União financiar mais leitos de UTI para a Covid-19 nos estados.

Governos estaduais argumentam que a União fechou leitos mantidos com verba federal nos estados e têm buscado o Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a reativação. Para Bolsonaro, não falta dinheiro para atender os estados.

“Olha, o recurso não falta para a gente atender as questões nessa área de saúde. Agora, tem que haver uma previsão por parte dos governadores, e o contato tem que ser através do secretários de Saúde junto ao ministério. Nós aqui nunca nos furtamos a liberar recursos para isso”, afirmou o presidente.

Outra dos jornalistas para o presidente foi sobre a possibilidade de um toque de recolher nacional ou uma política nacional para conter o avanço da pandemia, como foi reivindicado por secretários de saúde.

Na resposta, Bolsonaro usou um argumento que vem repetindo há meses: o de que o STF entendeu que apenas estados e municípios podem tomar medidas contra o avanço do vírus, o que não corresponde à decisão do tribunal.

O STF já esclareceu que a decisão foi a de declarar estados e municípios competentes para tomar as decisões, mas que a responsabilidade também cabe à União.

“Agora? Um ano depois? Lembraram de mim um ano depois? Estão sendo pressionados pela população, que não aguenta mais ficar em casa, tem que trabalhar por necessidade […] Infelizmente, o poder é deles, eu queria que fosse meu”, disse Bolsonaro, em referência aos estados.

O presidente afirmou ainda que tem um plano para colocar em prática contra a pandemia, mas que depende de o STF lhe conferir os poderes para tomar decisões nessa área.

“Então, se eu tiver poder para decidir, eu tenho o meu programa, o meu projeto pronto para botar em prática no Brasil. Agora, preciso de ter autoridade. Se o Supremo Tribunal Federal achar que pode dar o devido comando dessa causa a um poder central, que eu entendo que seja legítimo meu, eu estou pronto para botar meu plano”, disse.

Questionado sobre qual seria o plano, não quis informar. “Não, não, não”, respondeu o presidente.

Restrições

Nesta quarta, o governo de São Paulo anunciou que vai regredir todo o estado à fase vermelha, a mais restritiva da quarentena.

A medida entre em vigor na primeira hora do próximo sábado (6) e deve permanecer até o dia 19 de março. O anúncio foi feito pelo governador João Doria (PSDB).

“Estamos em São Paulo e no Brasil à beira de um colapso. Exige medidas coletivas e urgentes (…) Por este motivo nós estamos atendendo a recomendação do centro de contingência e reclassificando todo o estado de São Paulo para a fase vermelha a partir das 0h de sábado”, disse Doria.

Na terça, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ligada ao Ministério da Saúde, divulgou uma nota técnica na qual aponta o agravamento da pandemia de Covid-19 no Brasil. De acordo com a Fiocruz, 19 unidades da federação têm taxas de ocupação de leitos de UTI acima de 80%. No boletim anterior, eram 12.

Diante do quadro, o Ministério da Saúde publicou na terça portaria que libera um total de R$ 153,6 milhões para o financiamento de 3.201 novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em mais de 150 cidades de 22 estados — os leitos temporários serão custeados por 90 dias, com possibilidade de renovação posterior.

Estados e municípios vinham se queixando da suspensão do repasse de recursos do governo federal para financiar leitos de UTI.

Taxas de ocupação de leitos nas capitais, segundo a Fiocruz:

  • Porto Velho (100%)
  • Rio Branco (93%)
  • Manaus (92%)
  • Boa Vista (82%)
  • Belém (84%)
  • Palmas (85%)
  • São Luís (91%)
  • Teresina (94%)
  • Fortaleza (92%)
  • Natal (94%)
  • João Pessoa (87%)
  • Salvador (83%)
  • Rio de Janeiro (88%)
  • Curitiba (95%)
  • Florianópolis (98%)
  • Porto Alegre (80%)
  • Campo Grande (93%)
  • Cuiabá (85%)
  • Goiânia (95%)
  • Brasília (91%)

Além disso, cinco capitais estão com taxas superiores a 70%:

  • Macapá (72%)
  • Recife (73%)
  • Belo Horizonte (75%)
  • Vitória (75%)
  • São Paulo (76%)

A Fiocruz sugeriu uma lista de providências, veja abaixo o resumo:

  • Manutenção de todas medidas preventivas (distanciamento físico, uso de máscaras e higiene das mãos)
  • Adoção de medidas mais rigorosas de restrição da circulação e das atividades não essenciais
  • Implementação imediata de planos e campanhas de comunicação
  • Reconhecimento legal do estado de emergência sanitária e
  • Viabilização de recursos extraordinários para o SUS, com aporte imediato aos Fundos Estaduais e Municipais de Saúde
  • Fortalecimento da vigilância em saúde: detecção precoce, investigação laboratorial, isolamento, quarentena e busca ativa de casos suspeitos e confirmados, além de estratégias de teleconsulta.
  • Ampliação da capacidade assistencial em todos os níveis, incluindo leitos clínicos e de UTI para Covid-19
  • Aceleração da vacinação para toda a população coordenada pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) do SUS