Caso Dauri: Ex-policial e Pastor da Assembleia de Deus de Queluz é condenado a 21 anos de prisão

O ex-policial militar e pastor Nilton Ferreira Correia, foi condenado segundo informações a 21 anos de prisão pela morte de Dauri Antônio de Carvalho Júnior, o Daurizinho, no dia 25 de maio de 1996, no bairro Brejetuba em Cruzeiro.
Nilton na época ficou preso, mas conseguiu cumprir o andamento do processo em liberdade.  Segundo informações de conhecidos do pastor Nilton, na quinta-feira (12/1), ele teria saído de sua residência quando os policiais civis, com mandado de prisão em mãos realizaram busca em sua casa, mesmo com sua esposa alegando que Nilton não estava em casa.
Após averiguar e constatar que o acusado realmente não estava em sua residência, os policias foram embora. Imediatamente a esposa teria ligado e contado a Nilton que a polícia esteve em sua casa com o mandado de prisão.

O acusado então teria retornado em sua residência reunindo sua família e fugido, sem deixar paradeiro. Depois de ser acusado de matar Dauri, Nilton se converteu ao cristianismo, sendo consagrado pastor da igreja Assembleia de Deus em Queluz.
Pessoas ligadas ao pastor comentaram a reportagem do PORTAL A GAZETA que Nilton teria dito que não iria ser preso e preferia fugir sem destino.

E que seu advogado teria entrado com pedido de relaxamento de prisão na sexta-feira (13/1), mas o Juiz teria negado o mesmo.

Por esse motivo ele ficaria foragido até que seu advogado conseguisse relaxar a prisão nas esferas judiciais.

Entenda o caso:
O ex-policial militar Nilton Ferreira Correia é acusado da morte de Dauri Antônio de Carvalho Júnior, o Daurizinho, no dia 25 de maio de 1996, um sábado.

Na época, o crime causou comoção. Após briga durante uma partida amistosa de futebol no campo do Brejetuba, onde moravam, Daurizinho (21 anos na época) e Nilton (25) foram encaminhados pela Polícia Militar ao Pronto Socorro da Vila Paulo Romeu para procedimentos médicos exigidos para a abertura de inquérito.

No corredor do PS, Nilton usou revólver da PM para matar Daurizinho com um tiro no rosto. Segundo testemunhas, Nilton havia ameaçado Daurizinho com o mesmo revólver durante a briga no campo de futebol.

Durante a investigação, a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) concluiu que Nilton Correia não estava armado no momento em que chegou ao Pronto Socorro. O revólver foi entregue a ele por Terezinha Godoy, com quem o réu morava na época.

Em depoimento, a mulher justificou ter levado o revólver e a farda do amásio à unidade de saúde porque ele iria cumprir escala no DPM da cidade no mesmo dia. Para a acusação, os policiais que atuavam no caso não deveriam ter permitido a entrada de Terezinha.

Nilton estava numa das salas do PS e Daurizinho no corredor. Aproveitando do momento, suposto descuido de policiais, o acusado efetuou o disparo a “queima roupa” e fugiu. Daurizinho morreu ao ser removido para a emergência da Santa Casa. Dias depois, Nilton Correia foi preso.

Pouco tempo permaneceu no Presídio Romão Gomes, na capital. Cerca de dois meses após o homicídio, ele voltou a cumprir escala na PM, mas foi expulso após a conclusão do inquérito policial.

 

Fotos: Arquivo Pessoal

5 comentários em “Caso Dauri: Ex-policial e Pastor da Assembleia de Deus de Queluz é condenado a 21 anos de prisão

  • 21 de janeiro de 2017 em 12:45
    Permalink

    Justiça tarda mais não falha, com graça de Deus o assassino do meu irmão não ficará em puni.

  • 21 de janeiro de 2017 em 15:31
    Permalink

    Que a Justiça seja feita. Que esse indivíduo cumpra mesmo esses 21 anos de prisão. Ele tem que pagar pelo que fez. Só Deus tem o direito de tirar a vida de seu filho. Revoltante.

  • 21 de janeiro de 2017 em 15:58
    Permalink

    Infelizmente a nossa justiça é muito falha e a fa vor dos bandidos …… com essa pena imposta …… ficará no máximo 3 anos na cadeia ……esse é o Brasil

  • 22 de janeiro de 2017 em 06:20
    Permalink

    Até quando vamos ter uma justiça falida e despreparada em nosso país? que vergonha,hj é armas liberadas é drogas liberadas, que vergonha. …

  • 22 de janeiro de 2017 em 21:21
    Permalink

    Não julgues para não seres julgado.Deixa a justiça de Deus ser feita .Deus vos abençoe em Cristo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.