Ministro do STF nega liberdade a 30 policiais civis de São José dos Campos, SP denunciados por elo com facção – A Gazeta

Ministro do STF nega liberdade a 30 policiais civis de São José dos Campos, SP denunciados por elo com facção

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido de liberdade aos 30 policiais civis São José dos Campos acusados de envolvimento com o tráfico de drogas na Zona Sul. A decisão é da última sexta-feira (16).

Os 30 policiais estão presos desde o fim de novembro e tentam a liberdade por meio de habeas corpus no Supremo. Além desse pedido negado, os policiais ainda têm pelo menos uma outra ação coletiva requerendo liberdade no STF.

Para indeferir a liminar, o ministro Marco Aurélio Mello seguiu a decisão que já havia tomado no último dia 9 de fevereiro, quando negou o pedido de liberdade individual feito pelo policial Francisco Antônio Castilho Junior.

O habeas corpus negado por Mello na sexta-feira pedia liberdade aos 30 policiais, além de um policial civil expulso da corporação que também está preso. Todos foram denunciados pelo Ministério Público por elo com uma quadrilha ligada à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Segundo o ministro, o que está em jogo é a preservação da ordem pública, tendo em vista a série de provas apresentadas pelo Ministério público na denúncia contra os envolvidos.

“Presentes os fortes indícios de participação dos pacientes, ao que tudo indica, em grupo criminoso, a custódia se impunha, ante a periculosidade dos agentes, ao menos sinalizada”, diz trecho da decisão.

O pedido de habeas corpus foi feito pela advogada Aparecida Cristina Soares Rodrigues. O G1 não conseguiu contato com a advogada.

Denúncia

Os policiais denunciados pelo Ministério Público são acusados de elo com uma quadrilha ligada à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), que comandava o tráfico na Zona Sul de São José dos Campos.

O Ministério Público afirma que, tendo conhecimento da contabilidade do crime, os policiais usavam a informação para extorquir os traficantes. A promotoria diz que o esquema movimentava R$ 2 milhões por mês. Os policiais negam as acusações.

Além dos policiais, também foram denunciados no esquema uma advogada, um ex-policial e quatro traficantes. Escutas telefônicas mostram nas conversas entre os traficantes que o pagamento de propina era assunto de rotina.

Além do processo criminal, que resultou na prisão dos policiais, o MP ingressou com uma ação civil em que o órgão pede a condenação dos agentes por improbidade administrativa e que eles paguem uma indenização de R$ 2 milhões por dano moral coletivo. No mesmo processo, a Justiça determinou o afastamento dos policiais.

 

Foto: Carlos Moura/ STF

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.