Comissão vai investigar prefeito afastado de Barra Mansa, RJ

Política – A Câmara de Vereadores de Barra Mansa, no Sul do Rio de Janeiro, instaurou na noite de terça-feira (7) uma comissão para investigar o prefeito afastado Jonas Marins (PCdoB), suspeito de desviar milhões de reais em medicamentos da Farmácia Municipal. Com plenário da casa lotado, o clima tenso tomou conta da votação, que terminou com a aprovação de 14 vereadores, a favor da comissão.
Na semana passada Jonas Marins, o atual secretário de saúde, Luís Antônio de Almeida e o ex-secretário da pasta e atual secretário de administração Jonathan Aguiar — irmão de Jonas Marins — foram afastados dos cargos a pedido do Ministério Público estadual. Já era esperado que a instauração da comissão fosse aprovada com facilidade, afinal, seria preciso apenas maioria simples, ou seja, metade dos votos dos vereadores presentes mais um.

“Ficou nítido que a falta de medicamento que era diante de desvios de dinheiro público. Então meu voto é a favor da população de Barra Mansa, a favor da comissão processante, que agora vai ser instaurada a partir de amanhã pra dar início ao processo de cassação do prefeito Jonas Marins”, disse o vereador Luiz Furlani.

“Eu votei contra a instauração da comissão até mesmo porque a Câmara já vinha investigando o processo, né, e já foi denunciado no Ministério Público. O prefeito Jonas se encontra afastado. Eu acho que até de uma forma que não deveria”, disse Wesley Carlos de Brito, vereador.

A comissão é formada por três vereadores escolhidos por sorteio. Denilson Câmara foi nomeado presidente. Rodrigo Drable e o Cláudio Cruz, o Baianinho, também vão participar.

“Após a comissão eleita e sorteada agora tem o prazo de cinco dias para estar iniciando o trabalhos e aí serão ouvidos os denunciantes de forma escrita e depois por presença e terão de hoje até 90 dias pra concluir os trabalhos e apresentar novamente ao plenário da casa se aceita ou não pela cassação do prefeito”, explicou José Luiz Vallério, presidente da Câmara.

Jonas Marins nega acusações
“Olha eu já sabia dessa movimentação na Câmara, né, a gente já esperava. Agora eu vi assim, eu achei desnecessária, descabida, diante do quadro que a gente se avizinha, que é o quadro de eleição”, disse Jonas Marins.

O prefeito afastado nega as acusações de que tenha feito parte do esquema. “Eu tô muito seguro até porque eu não fui ouvido em momento nenhum pela juíza da primeira instância, pelo promotor do Ministério Público. E as pessoas têm direito a defesa. Eu não fui ouvido. A pasta da Secretaria de Saúde ela tem pessoas responsáveis pelo serviço lá.

Eu sequer fui ao almoxarifado, recebi nota de medicamento… Então, eu não fiz nada disso. Então tem gente específica pra isso”, disse.

 

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.