Dupla é condenada pelo assassinato de ex-prefeito de Potim, SP Benito Thomaz

Os dois homens acusados pelo assassinato do ex-prefeito de Potim, Benito Thomaz, foram condenados em júri popular encerrado na madrugada desta quinta-feira (14). Depois de mais de 12 horas de julgamento, um dos executores foi condenado a 14 anos de prisão e o outro a 16 anos.

O crime foi em 2014 quando Benito foi alvejado por vários tiros na região central da cidade. O crime chocou a população e, segundo o Ministério Público, teve motivação política. Um aliado político do ex-prefeito foi quem encomendou o crime.

Os dois executores foram presos no mesmo dia do crime, depois de um confronto com a polícia e, desde então, seguem presos. O júri estava marcado para às 9h desta quarta-feira (13), mas teve atraso de mais de três horas e começou no início da tarde.

O julgamento se estendeu por toda a madrugada com a apresentação das testemunhas de defesa e acusação. Os jurados decidiram pela condenação dos dois apontados por volta das 5h.

Segundo a justiça, um deles foi condenado a 14 anos de prisão por homicídio duplamente qualificado e o outro a 16 anos e nove meses também por homicídio duplamente qualificado – ele teve pena adicional por tentativa de homicídio contra um policial. Na fuga, os dois foram cercados por PMs e um deles atingiu um policial de raspão no braço, tendo a pena aumentada.

A qualificação foi por uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e pela motivação considerada torpe.

A reportagem conseguiu contato com a defesa de Willian Leite de Lima, o advogado Ítalo Garbi, que informou que vai recorrer da decisão. O outro advogado de defesa não foi localizado.


Benito Thomaz, ex-prefeito de Potim — Foto: Reprodução

Mandante

Esta é a segunda decisão no caso. Em março de 2018, a justiça condenou Ricardo Martins, apontado pela polícia como aliado de um opositor político de Benito e mandante do crime. Ele foi condenado a 14 anos de prisão. À época, sua esposa, também havia sido presa e apontada como envolvida no caso, mas foi absolvida pela justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.