Câmara recebe Plano Diretor com expansão de 30% da área urbana de Guaratinguetá, SP

Vereadores iniciam análises e votação deve ser realizada em dezembro; Município não tem proposta aprovada desde 2006

Secretário de Governo, Daniel Oliveira, que confirmou expectativa para expansão da área urbana em 30% (Foto: Leandro Oliveira)
Secretário de Governo, Daniel Oliveira, que confirmou expectativa para expansão da área urbana em 30% (Foto: Leandro Oliveira)

A Câmara de Guaratinguetá recebeu o Plano Diretor Municipal, que projeta o crescimento e desenvolvimento para os próximos dez anos. O documento foi elaborado pela Prefeitura, que contou com a assessoria da empresa Líder Engenharia. Os vereadores devem votar o projeto apenas em dezembro.

O último plano diretor aprovado na cidade foi apresentado em 2006. Há três anos, a então gestão que. Agora, a Câmara terá a autonomia para analisar a proposta, que deve tramitar apenas pela comissão de Constituição, Justiça e Redação.

Em entrevista ao Jornal Atos, o secretário de Governo da Prefeitura, Daniel Oliveira, confirmou que o documento projeta expansão da área urbana de Guaratinguetá em 30%. O Plano Diretor conta com a construção do anel viário que interligará as regiões do município. Será essa obra que projetará a urbanização de áreas rurais.

“Focamos em trabalhar o desenvolvimento sustentável e isso significa que temos um olhar para o desenvolvimento econômico, social e ecológico. A gente fez uma expansão do perímetro urbano, mas se atentando a importância ecológica e preservação. E também a importância do município se desenvolver”, enfatizou Daniel.

De acordo com o secretário, serão feitos planos de bairros que partirão das regiões de Guaratinguetá. Foram incorporados os planos de saneamento básico e resíduos sólidos. Há a projeção de construção anel viário para os próximos dez anos. “É um projeto de modernização para que a gente consiga escoar mais a questão de transporte no município”.

A expansão do perímetro urbano é projetada para áreas rurais que têm potencial para desenvolvimento industrial, comercial ou habitacional. “O planejamento para os próximos dez anos é para oportunidades regionais. Isso será especificado com nível de detalhes quando discutirmos a lei de uso e ocupação do solo. Nesse primeiro momento, mapeamos a cidade, nascentes, áreas ambientais, que tem ser preservadas e possibilidade de expansão”, concluiu.

Presidente da Câmara, Marcelo Coutinho, o Celão, que deve contratar empresa de assessoria para analise de documento (Foto: Leandro Oliveira)
Presidente da Câmara, Marcelo Coutinho, o Celão, que deve contratar empresa de assessoria para analise de documento (Foto: Leandro Oliveira)

Na Câmara –O documento foi recebido pelo presidente da Casa, Marcelo Coutinho, o ‘Celão’ (PSD). O vereador confirmou que deve contratar uma empresa para prestar assessoria analítica sobre o documento antes que ele entre em votação. “Nós faremos a contratação de uma empresa, para termos um respaldo técnico. A empresa vem para nos dar um suporte e orientação. Futuramente colocaremos a discussão em pauta”.

Segundo o vereador, serão feitas reuniões com os responsáveis pela elaboração do plano diretor. Questionado sobre as comissões que o documento vai tramitar, Celão respondeu. “Passa pela comissão de Constituição, Justiça e Redação. Única comissão que ele tramita. Não vejo necessidade de passar por nenhuma outra, até porque não estamos discutindo nada sobre finanças, que poderia ser discutido pela comissão de Economia e Finanças”, finalizou.

Os vereadores iniciam a fase de análise do documento e, paralelo isso, uma empresa será contratada para auxiliar nesse processo. A votação será realizada apenas em dezembro, em uma das últimas sessões do ano.

Por Leandro Oliveira / Jornal Atos