‘Ela acordou sozinha na cama, pelada, toda machucada’, disse vizinho que ajudou mulher de turista lituano morto em Paraty, RJ

Casa em que turista lituano e a esposa brasileira estavam hospedados, na Praia do Sono, em Paraty — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

“Quando ela acordou estava sozinha na cama, pelada, toda machucada”. Esse relato é de Valcir Silva, primeiro vizinho a ajudar a mulher de Adam Zindul, de 37 anos, turista da Lituânia brutalmente assassinado na Praia do Sono, em Paraty, na noite da última quarta-feira (5).

Segundo a Polícia Civil, o criminoso invadiu a casa em que eles estavam hospedados, fez com que a mulher amarrasse o marido em uma cadeira na cozinha e a estuprou no quarto. Em seguida, matou o turista a pauladas. A esposa do lituano é brasileira, de São Paulo, e tem 35 anos.

Em entrevista exclusiva, Valcir contou que o primeiro contato com a vítima foi quando a viu sair pela rua gritando e pedindo ajuda. “Ela explicou que tinha sido violentada e não sabia quem era [o criminoso]. Ela tremia muito”, lembrou.

“Nós entramos em choque com a notícia porque ela estava toda machucada. Ela tinha um galo na testa enorme. Ela falou que levou um golpe e desmaiou, então, não viu nada. Quando ela acordou, estava sozinha na cama, pelada, toda machucada. Ela mostrava a mão dela e falou que estava sangrando muito no seu órgão genital”, detalhou.

Depois de ser acolhida pelos vizinhos, a mulher pediu para que alguém fosse ver o que aconteceu com o marido. “A cozinha estava toda escura. Eu fui e liguei a lanterna. Quando eu iluminei, eu vi primeiro as pernas dele amarradas na cadeira. Aí eu fui entrando e já olhei ali para a cabeça, e estava toda suja de sangue, e com um pano coberto, amarrado na cabeça”, descreveu Valcir.

A mulher foi socorrida e levada para o Hospital Municipal de Paraty, onde recebeu atendimento médico e teve acompanhamento de uma assistente social. Até a publicação desta reportagem, ela permanecia internada em observação.

Durante a madrugada, os moradores se reuniram para levantar informações e ajudar o trabalho da polícia para identificar o criminoso. “A comunidade toda, já na madrugada, quando ela [a vítima] falou que era um ‘moreno baixo’ que tinha entrado lá, a gente já começou a reunir todo mundo aqui para saber quem era esse ‘moreno baixo’ que se encontrava aqui. Chegamos à conclusão de que era esse suspeito, Edinho. Quando a polícia chegou, alguns moradores já falaram para a polícia que tinha um suspeito e acompanharam a polícia até onde ele se encontrava”, contou Valcir.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, o suspeito se chama Edson Santos, tem 37 anos e é da cidade de Paraty, mas não morava na Praia do Sono. Ele foi preso na quinta-feira (6) e transferido no dia seguinte para a Casa de Custódia de Volta Redonda.

O suspeito foi indiciado por homicídio qualificado, estupro e tentativa de feminicídio. Ele será representado por um defensor público que ainda será definido pela Justiça.

Suspeito é transferido para a Casa de Custódia de Volta Redonda — Foto: TV Rio Sul

Polícia detalha cena do crime

O crime aconteceu por volta das 22h30. Segundo a Polícia Civil, a casa estava trancada e a mulher tinha acabado de tomar banho. Quando abriu a porta para pendurar a toalha do lado de fora da residência, a vítima foi atacada pelo criminoso, que estava com uma faca.

O bandido obrigou a mulher a amarrar o marido em uma cadeira e a levou para o quarto. Ela foi amarrada na cama, foi agredida e violentada sexualmente. A polícia acredita que, neste momento, o criminoso achou que a mulher estava morta e foi até a sala para assassinar o marido dela.

De acordo com o delegado Marcelo Russo, a esposa do turista contou em depoimento que vinha sendo assediada pelo suspeito fazia dois dias, já que ele vinha fazendo um serviço de capina no quintal da residência. Segundo Russo, a vítima disse que ele “jogava indiretas e vinha olhando para ela de um jeito estranho”.

Ainda segundo o delegado, o suspeito não demonstrou nenhum arrependimento pelo crime cometido. “Ele é uma pessoa muito fria, não demonstrou nenhum sentimento, nenhum remorso das ações dele. Realmente um psicopata. Essa pessoa que hoje foi presa não deveria estar em liberdade”, disse.

Adam Zindul, de 37 anos, brutalmente assassinado em Paraty — Foto: Reprodução/Redes sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

O corpo de Adam permanecia no Instituto Médico Legal de Angra dos Reis na tarde deste sábado.

O Consulado Geral da Lituânia em São Paulo informou que foi notificado oficialmente sobre a morte do turista na quinta-feira (6). Disse ainda que está auxiliando a família do lituano e que não está autorizado a comentar sobre enterro ou translado do corpo.

Outras mulheres relataram estupro

Após a prisão de Edson Santos, outras duas mulheres vítimas de violência sexual reconheceram o suspeito como o autor dos abusos. Depois da repercussão deste último caso, outra mulher procurou a delegacia para fazer uma denúncia contra Edson.

Em alguns casos, ele usava máscara para cometer os crimes. No entanto, outras características físicas ajudaram as mulheres a identificá-lo, como tatuagens, tom de pele e estatura.

Ainda de acordo com a polícia, a mãe do suspeito foi informada sobre a prisão. No entanto, nenhum familiar ou advogado procurou a delegacia. “A própria mãe dele não acredita na inocência dele. E a mãe mandou um recado pra ele. Ela disse que ‘o que aqui se faz, aqui se paga’”, afirmou o delegado.

Russo pede que outras mulheres possam ter sido vítimas de Edson procurem a 167ª Delegacia de Polícia de Paraty. O telefone é (24) 3371-9511. O anonimato é garantido às vítimas.

*Sob supervisão de Vinicius Lima