Após discurso de Bolsonaro, prefeitos da região deixam claras suas opiniões

Foto: Caio Toledo

Após discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em rede nacional, o prefeito de Taubaté, Ortiz Jr. (PSDB) usou das redes sociais para dizer que não se importa caso, no futuro, seja questionado por ter sido “preocupado demais” durante o enfrentamento da pandemia do coronavírus na cidade.

No pronunciamento do presidente, ele defende o fim do confinamento total, e que somente permaneçam em casa os idosos e pessoas com comorbidades. Na fala, o presidente levantou ainda a necessidade de se reabrir os comércios e retomar as aulas.

“Fui eleito para fazer o melhor por vocês. Acredito que o melhor é o que o mundo inteiro está fazendo. Lá na frente não terei problemas se for questionado por ter sido cuidadoso, preocupado demais. Não me perdoaria de não ter feito tudo que poderia ter feito para evitar mortes”, disse o prefeito de Taubaté.

“Continuaremos salvando vidas, queira o presidente ou não”, defende o prefeito de Jacareí


Foto: Rogério Marques

O prefeito Izaias Santana (PSDB), de Jacareí, se disse preocupado com o discurso apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em cadeia nacional na noite de terça-feira (24). No pronunciamento, o chefe do Executivo nacional defendeu o fim do confinamento total.

Para o prefeito, o discurso do presidente não tem embasamento e não deve ser considerado pelos moradores de Jacareí, que seguem com a orientação para que permaneçam em casa.

“É uma fala isolada do mundo, isolada das principais orientações técnicas e sem a assessoria da pessoa mais responsável que está ao lado dele neste assunto, que é o Ministro da Saúde. Como a fala não tem base legal nem técnica, o nosso dever — como agentes políticos — é desprezá-la. Nós continuaremos salvando vidas, queira o Presidente ou não”, afirmou, Izaias.

“Vale ressaltar que o discurso, mesmo que seja em cadeia de rádio e TV, não obriga ninguém a obedecê-lo. É necessário que ele aprove uma lei ou um decreto. O presidente não pode cassar, suspender ou anular um decreto de um Governador ou de um Prefeito. Para isso, ele precisa antes intervir no Estado ou no Município e nomear um interventor. Em Jacareí, continuam válidos os decretos do Governador João Dória e os meus. Portanto, fiquem em casa!”, concluiu o prefeito tucano.

Felicio cobra ações efetivas do presidente Jair Bolsonaro

O prefeito Felicio Ramuth (PSDB) cobrou ações efetivas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), após o mandatário ter feito um pronunciamento contra o confinamento total em combate ao coronavírus, em rede nacional de televisão, na noite de terça-feira (24).

O chefe do Executivo de São José dos Campos afirmou que tem convicção que as ações tomadas pela prefeitura até o momento estão no caminho correto, mas que mudaria o rumo caso essa fosse a determinação do presidente.

“Quero aqui pedir ao Presidente da República, se através das suas informações, presidente, dos dados que chegaram até o senhor, o caminho correto para se vencer o coronavírus seja outro, o senhor aja. O senhor não pertence mais ao Legislativo, o senhor hoje é um Presidente da República, é do Executivo, Executivo tem que agir, ações efetivas”, disse o prefeito.

No vídeo, o prefeito ainda afirmou que, caso o presidente entenda que as escolas não devam permanecer fechadas, deve penalizar as que descumprirem sua determinação. A mesma orientação foi apresentada pelo prefeito em relação ao comércio. 

“Entendo que as informações devem chegar ao Presidente da República, talvez até aquelas que eu não tenha aqui, portanto não me cabe questionar ou não a posição do presidente, e sim pedir para que ele tenha uma ação efetiva em relação a todos os posicionamentos que nós prefeitos, eu particularmente, cumprirei rigorosamente. Posso até discordar delas, mas tenho que cumprir, essa é minha atribuição”, continuou.