Volta Redonda, RJ flexibiliza horário do comércio e amplia liberação da feira livre

O prefeito Samuca Silva informou na tarde desta quarta-feira (03/06) em transmissão ao vivo feita por redes sociais, que conseguiu avanços no acordo vigente com o Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ) e que, a partir de 10 de junho, o comércio da cidade passa a funcionar a partir de meio-dia, sem horário estabelecido para fechamento.

As barracas que vendem gêneros não alimenticios poderão voltar às feiras livres, também a partir de 10 de junho, com restrições para o espaçamento e em local diferente das barracas de alimentos.

Os  feirantes que trabalham com gêneros alimentícios foram incluídos na lista de atividades essenciais e, mesmo que ocorra um fechamento automático por causa de algum dos eixos de monitoramento, poderão continuar trabalhando.

Além disso, e também a partir de 10 de junho, os bares e restaurantes terão horário liberado, mas limitados a 30% de sua capacidade de ocupação.

A partir do dia primeiro de agosto, está prevista a volta aos horários normais do comércio, desde que os eixos de monitoramento na cidade continuem positivos.

Sobre os eixos, Samuca informou que o MPRJ concordou em ampliar de dois para três o número de dias em que crescimento de casos suspeitos acima de 5% geram fechamento automático do comércio.

No entanto, todas essas medidas ainda precisam ser homologadas pela Justiça, o que a Procuradoria do município está tentando fazer com a maior rapidez possível.

Nesta terça, a cidade teve 5,07% de crescimento de casos suspeitos. Pelo acordo em vigor, se isso se repetir na quarta, o comércio fecha por sete dias a partir de quinta. Se o novo acordo for homologado, passa ser possível mais um dia de casos acima do limite antes do fechamento automático.

Templos, clubes e academias

O prefeito informou que a reabertura controlada de templos, academias e clubes vai ficar condicionada a um decreto do governo estadual, podendo até sair antes de 10 de junho. Samuca disse que, com isso, fica afastada a possibilidade de disputa judicial em torno do assunto.