SP foi reconhecido como o do francês desaparecido – A Gazeta