Pai de santo é denunciado por mais um estupro contra fiel em São Paulo e número de mulheres vítimas sobe para 7

Pai Guimarães de Ogum nega as acusações de que teria abusado de fiéis em SP — Foto: Reprodução/Redes sociais
Pai Guimarães de Ogum nega as acusações de que teria abusado de fiéis em SP — Foto: Reprodução/Redes sociais

O pai de santo Heraldo Lopes Guimarães, conhecido como Pai Guimarães de Ogum, foi denunciado na semana passada à Justiça pelo Ministério Público (MP) por ter cometido mais um estupro contra fiéis em São Paulo. Com isso, subiu para sete o número de mulheres que o acusam de crimes sexuais.

Além de denunciar o religioso por sete estupros de vulneráveis contra as vítimas, a Promotoria pediu a decretação da prisão preventiva dele para responder preso pelos crimes até um eventual julgamento. Até esta terça-feira (20) a Justiça não havia analisado as denúncias, que começaram a ser feitas no mês passado.

Segundo o MP, as vítimas contaram que o pai de santo se valia da sua posição de sacerdote espiritual para cometer os abusos sexuais. O acusado nega os crimes.

Pai Guimarães de Ogum tem 56 anos e atua na Umbanda, religião brasileira de matriz africana. Além disso, comanda um templo na Zona Sul da capital, onde, segundo o MP, aconteceu a maioria dos abusos contra as vítimas, entre os anos de 2010 e 2019. Duas delas eram menores de 14 anos na época. As outras cinco já tinham 18 anos ou mais.

Segundo a defesa do pai de santo, o líder espiritual alega inocência.

“Meu cliente nega totalmente os fatos. E entende que é uma armação das vítimas, que estão em conluio e fazendo denúncias infundadas e inverídicas. Nesse momento é isso”, disse no início do mês o advogado Marco Antonio de Castro, que defende Pai Guimarães de Ogum.

Relatos

Pai de santo Heraldo Guimarães é acusado de crimes sexuais contra fiéis em SP — Foto: Reprodução/Redes sociais
Pai de santo Heraldo Guimarães é acusado de crimes sexuais contra fiéis em SP — Foto: Reprodução/Redes sociais

A reportagem conversou com três mulheres que dizem ter sido vítimas dos supostos abusos cometidos pelo pai de santo. Elas contaram ter procurado o grupo de Acolhimento de Vítimas, Análise e Resolução de Conflitos (Avarc) do Ministério Público para acusar o pai de santo de se valer da sua posição de sacerdote espiritual para cometer os estupros de vulneráveis. Eles também ocorreriam em outro templo, no Centro, e até na casa do acusado.

As mulheres disseram ainda que Heraldo exercia domínio psicológico, deixando-as vulneráveis a ponto de se sentirem obrigadas a manter relações sexuais com ele, achando que estivessem se relacionando com uma entidade incorporada por ele. Elas acreditavam que aquilo fazia parte do tratamento em busca de uma cura espiritual.

“Ele disse que eu precisava de energia para poder resolver minhas questões pessoais e, que para isso teria que usar o órgão sexual dele para obter. No momento que me disse isso, ameacei levantar pra sair dali, porém, ele travou as duas pernas contra meu corpo e segurou de maneira agressiva a parte de trás do meu cabelo impedindo que eu tivesse qualquer movimento, e quando me dei conta, ele estava com o órgão sexual para fora da calça e agressivamente, me disse pra que colocasse na minha boca enquanto empurrava com força minha cabeça”, falou a sétima vítima, uma mulher de 49 anos, que disse ter sofrido essa violência sexual de Pai Guimarães de Ogum em 2013, no templo que frequentava havia dois anos.

“Me lembro do nojo e do desespero que senti e então puxei minha cabeça para trás e ele voltou a forçá-la até seu órgão, quando novamente eu revidei e gritei”, afirmou a mulher, que contou ter decidido procurar o grupo Avarc do Ministério Público após ver reportagens na imprensa sobre as acusações contra o religioso. “Ao ver a matéria na mídia sobre outras acusações, resolvi me manifestar para fazer esse pervertido parar, pois de maneira nenhuma merece o título nem o respeito de ser um sacerdote da umbanda.”

Pai Guimarães de Ogum — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal/Redes sociais
Pai Guimarães de Ogum — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal/Redes sociais

A reportagem também falou com a primeira e a sexta vítimas do religioso. A primeira vítima afirmou que ele “se aproveitou” dela quando tinha 12 anos, em 2011, e também declarou que o pai de santo não representa a religião.

“Heraldo Lopes Guimarães não representa a Umbanda, ele se aproveitou de mim como se aproveitou de todas nós”, disse a primeira vítima, atualmente com 22 anos, em uma carta enviada nesta quinta-feira (8) ao G1 na qual acusa o pai de santo de tê-la estuprado.

Asexta vítima falou à reportagem que o pai de santo abusou dela em 2013, quando tinha procurou o templo com o então marido, com quem estava tendo problemas de relacionamento porque não queria ter um filho com ela.

“Quando foi no terceiro trabalho foi que ele [Pai Guimarães de Ogum] disse que eu precisaria ter relação sexual. Ele dizia que meu companheiro já tinha perdido o encanto e não queria mais nada comigo e que, se eu não permitisse o trabalho, o fim do meu casamento estava muito próximo, e que em seguida seria o meu fim, que eu me mataria”, contou a sexta vítima, que atualmente tem 33 anos. “Aí ocorreu o primeiro estupro no terceiro trabalho que eu fiz”.

Ela contou ter sido estuprada sete vezes pelo pai de santo. “Durante esses trabalhos era muito difícil. Eu tinha muita vergonha, eu tinha medo, eu me sentia suja, eu queria chorar. Você se sentia obrigada a manter relação sexual com um espírito. Aquilo não podia ser algo normal”.

Após esses trabalhos, a mulher contou que a entidade incorporada por Pai Guimarães de Ogum lhe disse que ela precisaria deixar o marido e ir morar com o pai de santo, como sua mulher. A vítima falou que obedeceu e engravidou nessa nova relação com Heraldo. “Meu filho é filho do meu estuprador”, falou ela, que se separou do religioso e foi morar sozinha com o filho que teve com ele.

Em casos de condenações, as penas para estupro podem ser de 6 a 10 anos de prisão e até 15 anos de reclusão (se for estupro de vulnerável). Quando há mais vítimas, a Justiça também costuma somar as penas atribuídas a cada uma das condenações por esse crime.

Partido da Mulher Brasileira

Após ter conhecimento das denúncias contra Heraldo por crimes sexuais, o Partido da Mulher Brasileira (PMB), do qual ele era presidente municipal em São Paulo, informou a reportagem decidiu afastá-lo em definitivo.

“Desejamos que ele seja processado, julgado, e, se condenado, defendemos a pena de Castração Química nos delitos de crimes sexuais”, informou a nota divulgada pela assessoria de imprensa do PMB. A sigla alega que “disponibilizou para vítima assessoria jurídica para funcionar como assistente de acusação”.

MP e a Justiça

Prédio do Ministério Público de São Paulo, no Centro de São Paulo — Foto: Divulgação
Prédio do Ministério Público de São Paulo, no Centro de São Paulo — Foto: Divulgação

“As vítimas eram surpreendidas pelas graves ameaças, por uma teia de condições premeditadas de intimidação espiritual, colocando-as em condições de vulnerabilidade para prática de violência sexual”, afirmou a promotora do caso, Celeste Leite dos Santos.

“Infere-se que o denunciado se utilizava do contexto religioso para prática dos crimes”, disse a promotora. “O autor, utilizando-se do mesmo modus operandi, supostamente incorporado por entidades espirituais, praticou atos libidinosos e conjunções carnais com diversas vítimas.”

A Promotoria pediu a prisão preventiva dele alegando risco de fuga do acusado. “Há risco concreto de evasão do acusado, além de que sejam praticados novos atentados contra a ordem pública. Existem outras vítimas que já solicitaram sua oitiva pelo Ministério Público”, informou a nota da assessoria de imprensa do MP.

Após apresentação da denúncia pela Promotoria, caberá a Justiça aceitar as acusações contra o pai de santo e torná-lo réu no processo ou não. E ainda decidir se decreta sua prisão para que ele fique preso até ser julgado pelos crimes.

Procurada pela reportagem, a assessoria do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) informou que não vai comentar o assunto porque “o processo está em segredo de Justiça, visando a proteção das vítimas, já que se trata de crime sexual.”

Pai Guimarães também comanda a Abratu (Associação Brasileira dos Religiosos de Umbanda, Candomblé e Jurema). Questionada pelo G1, a Abratu não comentou o assunto.

7 vítimas

Pai Guimarães de Ogum — Foto: Reprodução/Redes sociais
Pai Guimarães de Ogum — Foto: Reprodução/Redes sociais

Para preservar a identidade das vítimas, a Promotoria as chama por números, que vão de 1 a 7.

  • Vítima 1: O MP acusa Pai Guimarães de ter mantido relações sexuais e praticado atos libidinosos contra ela, que era menor de 14 anos à época, no templo da Zona Sul e na casa dele, entre 2011 e 2014.
  • Vítima 2: O pai de santo é acusado ainda pela Promotoria de praticar atos libidinosos contra ela no templo e na casa dele, entre 2014 e 2015. Ela tinha 14 anos à época.
  • Vítima 3: O pai de santo também é acusado de cometer atos libidinosos e obrigá-la a transar com ele nos templos do Centro e da Zona Sul , além de um outro endereço, entre 2010 e 2011.
  • Vítima 4: Pai Guimarães também foi denunciado por atos libidinosos e por obrigá-la a fazer sexo oral nele no templo da Zona Sul e na casa dele, entre 2013 e 2015.
  • Vítima 5: O pai de santo é acusado ainda de praticar atos libidinosos e obrigá-la a fazer sexo oral nele na casa onde morava e no templo da Zona Sul, entre 2013 e 2016.
  • Vítima 6: Pai Guimarães também foi denunciado por violência psicológica ao ameaçá-la de morte a obrigando a transar e ter atos libidinosos com ele, causando lesão corporal de natureza grave nela, no templo da Zona Sul, em 2013.
  • Vítima 7: O pai de santo é acusado de ter tentado obrigar uma fiel a fazer sexo oral nele em 2013 se valendo da sua condição de líder espiritual no templo da Zona Sul.

Por Kleber Tomaz

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings