No Vale do Paraíba, antiga fábrica de papel vira moderno projeto agroflorestal

O agricultor Patrick Assumpção investe há mais de 10 anos em sistemas agroflorestais e plantio de árvores de espécies nativas para ressignificar a fazenda do avô, em Pindamonhangaba.

Na primeira metade do século XX, ela chegou a ser praticamente uma cidade, com mais de quatro mil trabalhadores e uma ambiciosa infraestrutura urbana, com cinema, teatro, farmácia e até uma moeda própria que circulava internamente.

Hoje, ela é modelo para que Patrick ajude a disseminar a técnica de agroflorestal para mais de 200 produtores rurais. Juntos eles esperam criar um polo florestal e reflorestar 40 mil hectares no Vale do Paraíba.

Essa é a história do quinto episódio da websérie As Caras da Restauração, do WRI Brasil, que estará disponível a partir desta quarta-feira, 11 de novembro.

Hoje principal atividade da fazenda de Patrick é o plantio de árvores nativas para obtenção de madeira, utilizadas na construção civil ou na construção de embarcações, entre diversas outras aplicações.

O processo de transformação começou em em 2008 com o plantio da primeira floresta de guarandi em área de várzea. Como essa espécie demora 20 anos até estar pronta para o corte, Patrick intercalou culturas de ciclo curto e médio.

Pesquisando, ele encontrou dezenas de variedades de feijões, inúmeras variedades de mandioca, frutas nativas, milho. Desta forma, ele estruturou fontes de rendimento em diferentes etapas. No curto prazo, ele conta com a venda semanal de milho e de 70 a 80 quilos de mandioca para restaurantes.

A história de Patrick é o quinto e último episódio da webserie As Caras da Restauração, uma iniciativa do WRI Brasil para mostrar como pequenos e médios produtores estão ganhando dinheiro plantando floresta Brasil afora.

Os episódios mostram diferentes realidades – da Amazônia ao Vale do Paraíba, passando pela Bahia e pelo Espírito Santo. A maior concentração de histórias na região da Mata Atlântica deriva do maior grau de fragmentação e degradação desse bioma.

Os personagens mostram o potencial de recuperação de áreas antropizadas, que tem infraestrutura de transportes e outros benefícios importantes para o agronegócio, mas que concentram boa parte dos 130 milhões de pastagens atualmente degradadas no Brasil.

Elevar a produtividade dessas áreas, integrando-as a modernos sistemas produtivos como a integração pecuária-floresta, lavoura-floresta ou lavoura-pecuária-floresta não só reduz a pressão por novas áreas de cultivo como pode elevar os indicadores econômicos e sociais de boa parte do país.

“São histórias e rostos que humanizam uma agenda de reconstrução de nossa economia e contribuem para o compromisso do Brasil de restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas e áreas degradadas até 2030”, afirma Miguel Calmon, diretor de Florestas do WRI Brasil.

“Essa meta só pode ser alcançada por meio de uma diversidade de soluções, projetos, escalas e características locais – e é exatamente isso que estamos mostrando: os rostos e as histórias de quem está fazendo, bem como os caminhos possíveis”, destaca.

A série antecipa a Década da Restauração, que a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou para o período entre 2021 a 2030. Para o WRI Brasil, a restauração florestal deve ser reconhecida como uma oportunidade com potencial de geração de benefícios econômicos, sociais e ambientais.

A recuperação de milhares de hectares de terras hoje degradadas pelo plantio de espécies arbóreas nativas de valor econômico e pela utilização de sistemas agroflorestais, cria empregos e boa produtividade nas comunidades agrícolas, além de contribuir para a segurança alimentar e hídrica.

As histórias da família Soares, de Bruno Mariani, Silvany Lima, Patrick Assumpção e do casal Emerson e Viviane ajudam a ilustrar como os diferentes níveis de governo, o setor privado e os tomadores de decisão dentro do setor agrícola podem se engajar nesse movimento.


Sobre o WRI Brasil
O WRI Brasil é um instituto de pesquisa que transforma grandes ideias em ações para promover a proteção do meio ambiente, oportunidades econômicas e bem-estar humano.

Atua no desenvolvimento de estudos e implementação de soluções sustentáveis em clima, florestas e cidades. Alia excelência técnica à articulação política e trabalha em parceria com governos, empresas, academia e sociedade civil.

O WRI Brasil faz parte do World Resources Institute (WRI), instituição global de pesquisa com atuação em mais de 50 países. O WRI conta com o conhecimento de aproximadamente 700 profissionais em escritórios no Brasil, China, Estados Unidos, Europa, México, Índia, Indonésia e África.

Para baixar o vídeo, clique neste link: https://www.dropbox.com/s/rvo1f52yabfd6q1/wri_vale_do_paraiba_v05.mp4?dl=0


Por Karol Domingues

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings