Solução para crises hídricas está na natureza

O Paraná vive a seca mais severa dos últimos anos, submetido, desde maio, à condição de emergência hídrica. Outras regiões brasileiras estão passando por problemas semelhantes. Uma pesquisa da Agência Nacional de Águas e Saneamento revelou que em setembro as áreas de seca aumentaram em 14 dos 18 estados monitorados.

Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Paraná são os estados que sofrem há mais tempo com a estiagem, apresentando pontos de seca extrema, marcados por falta de chuva e níveis dos rios extremamente baixos. No Pantanal, bioma que está sofrendo intensamente com queimadas, o volume de chuvas de outubro de 2019 a março deste ano foi 40% inferior à média de anos anteriores, segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Desde o início de outubro, o Oceano Pacífico Tropical vive condições de La Niña, ou seja, um resfriamento das águas superficiais e um enfraquecimento dos ventos alísios (constantes e úmidos), o que desfavorece a precipitação de chuvas no Sul, Centro-Oeste e parte do Norte do Brasil. De acordo com o Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden), as chances deste padrão perdurar até o final do primeiro semestre de 2021 são de 70%.

Em um contexto como este, a falta de água acaba sendo inevitável, afetando não somente a população, mas, em menor ou maior grau, todos os outros setores da economia. No Paraná, levantamento do Departamento de Economia Rural (Deral) aponta que até o início de outubro apenas 8% da safra de soja havia sido plantada, contra média aproximada de 22% dos anos anteriores. Em São Paulo, a falta de chuva prejudica o cultivo de café e, em Santa Catarina, a safra de milho, ficando apenas em alguns exemplos.

Com o aumento da temperatura global ocasionada pela constante alta das emissões de gases de efeito estufa, especialistas do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) preveem mudanças significativas nos regimes hidrológicos em várias regiões do país. O Norte, Nordeste e parte do Centro-Oeste enfrentarão redução de chuvas com períodos de seca mais longos, enquanto para Sul e Sudeste a previsão é de estiagens mais severas intercaladas por períodos muito chuvosos. Essas fortes chuvas já vêm sendo observadas, como as enchentes ocorridas no início do ano em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Além dos efeitos das mudanças climáticas, crises hídricas são igualmente potencializadas pelo desmatamento. Levantamentos do INPE indicam que os “rios voadores”, correntes de ar e água que levam umidade da Bacia Amazônica para o Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país, têm perdido força diante da devastação florestal na Amazônia. Efeito direto deste fenômeno é a redução de chuvas na região do Pantanal e o consequente agravamento das queimadas, que ainda ardem na região. 

A manutenção da vegetação natural nas margens dos rios e nascentes de uma bacia hidrográfica é essencial para manter a água armazenada por mais tempo em seu interior. Este último ponto ficou evidente na crise hídrica enfrentada atualmente pela Região Metropolitana de Curitiba. Os reservatórios de Piraquara I e II permaneceram com um volume satisfatório de água por um período muito maior em função da expressiva extensão de floresta nativa em seu redor. Além de manter o solo muito mais úmido, essas áreas também contribuem para a melhoria da qualidade hídrica, por atuarem como uma espécie de esponja, retendo possíveis partículas de solo que poderiam ser levadas aos rios durante fortes chuvas. 

Em uma abordagem em que a própria natureza pode amenizar crises hídricas futuras, foi criado o movimento Viva Água. Este atua na Bacia do Rio Miringuava – manancial localizado em São José dos Pinhais (PR), que abastece 230.000 pessoas e várias empresas da Grande Curitiba. O objetivo é contribuir para a segurança hídrica por meio de ações de conservação e recuperação de ecossistemas naturais, além do incentivo ao empreendedorismo com impactos sociais e ambientais positivos.

O movimento é um exemplo de como a articulação da sociedade tem papel relevante na solução de crises hídricas. Juntos, organizações, produtores rurais, comunidade, poder público, iniciativa privada e universidades, agem para transformar a realidade socioeconômica e ambiental e contribuir para sua adaptação aos efeitos das mudanças climáticas.

* Anke Manuela Salzmann é analista de Negócios e Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings