Entidades que representam caminhoneiros convocam greve nacional para 1° de fevereiro

Anunciado na terça-feira (dia 26), o segundo aumento do ano no preço dos combustíveis está movimentando grupos de caminhoneiros no WhatsApp e fomentando a adesão a uma greve que já estava marcada para o dia 1° de fevereiro, mas que divide a categoria. Lideranças dos transportadores dizem que vinham dialogando com o governo para frear novos aumentos nos custos e se sentiram traídos pelo anúncio de reajuste de 4,4% no diesel nas refinarias, que equivale em média a um aumento de R$ 0,09 por litro nas refinarias – nas bombas, a alta pode ser maior.

O reajuste no diesel num momento em que os caminhoneiros acreditavam ter um compromisso do governo é uma “ferramenta para agitar a greve”, segundo o assessor executivo da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Marlon Maues. A entidade vem desencorajando a greve e insistindo no diálogo com o Ministério da Infraestrutura, mas Maues conta que a insatisfação dos profissionais está muito alta.

“Já recebemos a sinalização de que o governo está tentando anular o impacto na bomba reduzindo PIS e Cofins, que são impostos federais, mas não é suficiente, precisa que os estados baixem o ICMS também”, reivindica o assessor executivo da CNTA. “Então, a gente prefere mobilizar os interessados nesse ato de segunda-feira para a redução no ICMS.”

Os caminhoneiros também protestam contra o reajuste na tabela do frete anunciada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) no último dia 19 de janeiro, com um aumento médio que varia de 2,34% a 2,51%, considerado insuficiente pela categoria para cobrir os custos. Sobretudo com mais um aumento no diesel.

A greve foi convocada inicialmente pelo Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), ainda em dezembro do ano passado. A adesão inicialmente foi pequena e muitas lideranças mais ligadas ao governo consideraram que sindicatos de petroleiros poderiam estar manipulando a categoria para atingir o presidente Jair Bolsonaro.

No último dia 22 de janeiro, após o primeiro reajuste do diesel no ano, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL) anunciou apoio à greve e orientou sua base, que teria 800 mil motoristas, a não rodar na próxima segunda.

Na noite de terça (26/1), a Federação Única dos Petroleiros (FUP) também decidiu apoiar a paralisação dos caminhoneiros.

Liderança do setor, o caminhoneiro Alexandre Batista Patrício, o Mão Branca, ex-candidato a vereador de Paulínia (SP), conta que os colegas estão indignados e esperando uma orientação mais certeira sobre o que fazer. “Um monte de gente vai parar. Aqui em Paulínia a gente está esperando, mas a chance de adesão é grande, porque com um diesel nesse preço como é que faz para trabalhar? Não tá dando”, protesta ele, que atua no polo petroquímico da região.

A representação dos caminhoneiros é pulverizada e há lideranças mais radicais, que ameaçam uma greve “maior do que a de 2018“, no governo de Michel Temer (MDB), que só terminou quando as Forças Armadas forçaram os grevistas para fora das pistas e acostamentos.

Nos grupos de aplicativos de mensagens, circulam áudios explosivos, supostamente de caminhoneiros, que chegam a convocar para “tocar fogo em carro, em ônibus”.

O que diz o governo

O aumento na temperatura da crise e a perspectiva de greve não acenderam, pelo menos no discurso oficial, um alerta especial no governo.

Em nota, o Ministério da Infraestrutura disse a reportagem que “mantém uma agenda permanente de diálogo com as principais entidades representativas da categoria por meio do Fórum do Transporte Rodoviário de Cargas (TRC), além de reuniões constantes com suas lideranças. O restabelecimento do fórum, desde 2019, tem sido o principal canal interativo entre Governo e setor e qualquer associação representativa que deseje contribuir para a formulação da política pública pode requerer a sua participação para discutir eventuais temas de interesse da categoria”.

Com informações do Metrópoles

Foto: Arquivo/Marcelo Pinto/APlateia

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings