AME de Caraguatatuba registra 1.317 pacientes que faltaram em consultas e 851 em exames pré-agendados no último trimestre do ano

O número de pessoas faltosas em consultas e exames de baixa, média e, principalmente, alta complexidade, tem preocupado a Secretaria de Saúde (Sesau) de Caraguatatuba.

Somente no último trimestre de 2020, a Central de Agendamentos d computou 1.317 ausências não justificadas de pacientes encaminhados ao Ambulatório Médico de Especialidades (AME).

Entre as consultas de especialidades com mais faltas de pacientes estão dermatologia, nutrição e consultas para cirurgias pediátricas. 

O absenteísmo ainda é mais preocupante quando se trata de exames no AME. Ainda neste mesmo período, foram registradas 851 faltas. Em dezembro, por exemplo, foram ofertadas 918 vagas para realização de exames no AME, a Central marcou 1.232 exames. Isso ocorre quando o sistema libera vagas não utilizadas por outros municípios. Desse total, 341 não compareceram na unidade de saúde, o que representa 27%. Exames como audiometria (47%), tomografia (46%) e ultrassonografia (32%) foram os que mais registraram faltas de pacientes.

Em 2019, também no último trimestre, o número de faltas em consultas no AME chegou a 1.147 e as ausências em exames foram de 575.

Para Humberto Freitas, coordenador da Central de Regulação, as ausências não justificadas estão relacionadas à viagem, esquecimento e pessoas que não foram encontradas por ter mudado de endereço ou número e não atualizam o cadastro na UBS. “Outro fator que favoreceu o aumento de ausências foi a pandemia da Covid-19. Muitos faltaram por medo da doença”.

Não ir à consulta médica gera diversos problemas, como a aumento da fila de espera e, consequentemente, as reclamações da demora do serviço.  “Essa pessoa que faltou irá querer outra consulta ou exame, mas terá de fazer todo o processo que é o de ir até a unidade, solicitar o clínico e pedir o encaminhamento ao especialista, e assim por diante”, explicou o coordenador.

Mas se a pessoa precisar faltar, o que ela poderá fazer é informar a Unidade Básica de Saúde (UBS) de referência, ou a agente de saúde (ACS) de seu bairro. O ideal é que a ausência seja justificada com dois dias de antecedência.

Humberto afirmou, que “se as pessoas que faltam às consultas médicas ou exames avisassem e justificassem a ausência, a nossa fila de espera desafogaria e diminuiria”. “Ou seja, existem formas de avisar e prevenir as faltar, como manter o cadastrado na UBS sempre atualizado”. Isso também ajuda a tranquilizar a Central de Agendamentos, além de manter o fluxo e o andamento. Se a pessoa não puder ir à consulta, nessa hora o que vale é bom-senso.

A Central de Agendamentos, que utiliza os sistemas da Central de Regulamentação de Ofertas e Serviços de Saúde (Crooss) e da Diretoria Geral de Saúde (DRS-17), tem uma equipe formada por enfermeira, assistente social e auxiliares administrativos que são responsáveis pela regulamentação, triagem e análise de casos, classificando-os como urgência ou emergência.

Por Radar Litoral