Grupo Cênico ‘Estudarte’ se prepara para evento virtual em comemoração aos seus 18 anos de fundação e premiada trajetória

Uma história ocorrida de forma inusitada e que se tornou referência como foco de atenção de investidores. Assim pode-se resumir a trajetória do Grupo Cênico ‘Estudarte’, que prepara um evento virtual para o fim de março, quando completará seus dezoito anos de vida, exatamente no Dia Mundial do Teatro.


O grupo foi formado em 2003, dentro de um tradicional colégio de Volta Redonda, onde alunos de diversas turmas se reuniram para montar um espetáculo teatral como trabalho acadêmico. O que não se esperava era o sucesso da peça e os convites para que se apresentassem em outras instituições de ensino nas semanas seguintes.


O texto, que levava a assinatura dos então estudantes Raquel Moraes e Diego Machado, conquistou público de diversas idades e a fórmula de apresentação foi repetida durante todo aquele ano com outros roteiros.

Já o nome do grupo foi dado pelo ator e diretor Rodrigo Hallvys, que havia sido convidado para dirigir o primeiro espetáculo pouco tempo depois de ter deixado os trabalhos na televisão.


No ano seguinte, Rodrigo firmou parceria para implementação de seu curso de interpretação no mesmo instituto de ensino e o ‘Estudarte’ passou a produzir festivais de teatro todo fim de ano. Festivais os quais se tornaram uma espécie de exemplo de como atrair investidores e público, que lotava todas as sessões dos eventos.

O diretor Rodrigo Hallvys

“De alguma forma criamos uma fórmula que agrada os investidores. Eles investem financeiramente na produção de todo o evento e, além de terem suas marcas expostas em todo o material de divulgação, ainda podem fazer sorteios de descontos de seus produtos, fazendo com que os expectadores sorteados tenham acesso aos serviços e se tornem clientes, retornando o investimento feito em nosso trabalho” explica Rodrigo Hallvys.


A trupe desenvolveu diversos outros festivais, espetáculos avulsos e começou a ser convidada para se apresentar em outros eventos. Recebeu Moção de Congratulações das mãos de Lúcio Roriz, responsável do SATED (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões) no Sul Fluminense e o Prêmio Olho Vivo nas categorias ‘Grupo de Teatro’ (2008), ‘Diretor’ (2009) e ‘Espetáculo’ (2019), além de diversas indicações e representações na capital carioca.
Durante sua trajetória o elenco foi entrando em rodízio, com saídas de membros e entrada de vários outros.

“É algo costumeiro em companhias e grupos de teatro por conta de compatibilidade nas agendas e escalações”, complementa Rodrigo Hallvys.


Dentre os integrantes atuais está o fotógrafo e ex-modelo Thiago Giaccomeli, que integra o elenco e é responsável pelos “cliques” do grupo. Atualmente universitário do curso de Rádio e TV da UFRJ, ele é responsável pela execução de audiovisual do ‘Estudarte’ e comenta a importância de o artista aprender e exercer várias tarefas.
Um dos produtos da RH Soluções Artísticas, o ‘Estudarte’ possui uma forma peculiar de produzir e gerir seus eventos. A trupe evita captação de recurso que tenham envolvimento com financiamento disposto por governos e foca sua captação toda na proposta publicitária que visa promoção dos investidores da região Sul Fluminense, onde atua.
Um exemplo foi o festival ocorrido em 2007, que durou três fins de semana e contou com quarenta empresas envolvidas. O evento possuiu doze espetáculos, sendo três deles de grupos convidados.
O Estudarte também recebe propostas para abrilhantar outros eventos artísticos. Assim foi com a abertura do glamouroso ‘Mídia em Ação’, em 2009, além de toda a temporada do festival de artes integradas ‘ReVolta com Poesia’ e do ‘Dia Zen’, ambos em 2019. O grupo já representou o sul do estado do Rio de Janeiro em 2010, ‘Novas Cenas’, festival estadual que ocorre na capital carioca.


Um dos pontos fortes do grupo é pautado na forma como o mesmo encara cultura e arte, bem como o benefício de ambas na sociedade. Tudo isso abordado em suas oficinas e espetáculos públicos.


“Traços e linhas culturais existem e precisam ser respeitadas. A questão é entender que não há cultura melhor do que a outra. O que precisa ser compreendido é que há diferenças entre as culturas e isso precisa ser respeitado para haver harmonia. Estamos falando de comportamentos, de hábitos nos grupos que formam a sociedade. A arte genuína promove reflexão sobre temas, sem dar juízo de valor, mas sim estímulo à reflexão. Daí cada expectador pode pensar e decidir o que quer absorver para sua própria vida”, explica Rodrigo, que é graduado em Teatro e pós-graduado em Arte e Produção Cultural no Brasil.


Quanto à defesa da arte, ele explica que muitas vezes é necessário esclarecer o que realmente é arte. Perante a pandemia, o grupo fará um evento virtual que será composto por depoimentos de antigos integrantes e apresentação de novos.

Dentre os trabalhos vistos estarão ‘Barulho’, espetáculo apelidado de “pérola dramatúrgica” no Rio de Janeiro e a premiada comédia “Mulheres desesperadas”, que terá leitura dramatizada, assim como alguns outros textos que ocorrem nos eventos ‘Pequenas leituras’ e ‘Quase lá!’, ambos também promovidos pelo grupo e conhecidos do público consumidor de arte e cultura na região Sul Fluminense.


Uma ótima alternativa de diversão e consumo cultural para o público que está vivendo o isolamento social. Mais informações sobre o grupo estão nos sites: www.grupoestudarte.com.br e www.rhsolucoesartisticas.com.br

Por Emilio Macedo