‘Meu irmão foi alvejado só porque é negro’, diz parente de gari morto ao sair para trabalhar no Rio

A família do gari Marcelo de Almeida da Silva, morto qcom um tiro nas costas na Vila Cruzeiro, Zona Norte do Rio, quando saía de casa para trabalhar, fez um protesto nesta segunda-feira (1º) no Instituto Médico Legal. Os parentes pedem justiça após o crime.

“Meu irmão foi alvejado com um tiro nas costas só porque ele é negro, estava de boné, à distância de quase 30 metros. Alvejaram ele com um tiro nas costas sem perguntar pra onde ele ia, sem perguntar a ele o que ele estava fazendo ali. Nem parado ele estava, ele estava caminhando sentido ao trabalho e acertaram ele com um tiro nas costas”, disse o irmão de Marcelo, Arnaldo Almeida da Silva.

“Deram um tiro primeiro para depois perguntar o que ele estava fazendo lá. E quando abriram a mochila, viram que ele tava com uniforme da Comlurb. Pegaram o documento dele, crachá, sumiram tudo dele. Levaram até a chave do carro e a camisa dele está aqui, suja de sangue, com a bala aqui”, acrescentou.

Morador da Vila Cruzeiro, Zona Norte do Rio, Marcelo foi baleado durante um confronto na comunidade na manhã de domingo (31).

“Meu filho era tudo pra mim, meu filho pagava o meu plano de saúde. Meu filho trabalha desde os 14 anos. Está na Comlurb há quase 8 anos”, lamentou a mãe do gari, Elza da Silva.

Segundo um parente, o gari foi levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas por policiais que prestaram depoimento dizendo que ele tinha tido uma convulsão.

No hospital, no entanto, a família descobriu que Marcelo tinha sido baleado, e chegou à unidade sem documento e sem a mochila da Comlurb, a companhia municipal de limpeza urbana, onde trabalhava.

A Delegacia de Homicídios abriu inquérito para apurar as circunstâncias da morte.

Nota da Comlurb

Em nota, a Comlurb lamentou a morte do funcionário.

“A Comlurb está dando todo o apoio à família, inclusive com a equipe de assistência social da Companhia. A direção presta os mais sinceros sentimentos à família do estimado gari Marcelo, que tinha 38 anos de idade e dez de Comlurb. Marcelo era casado e deixa dois filhos”

Por Ana Paula Santos