Seminário Nacional do GNV enfatiza urgência na aprovação do marco legal do gás

Aprovação da nova lei pode destravar investimentos de R$ 45 bilhões só no Rio de Janeiro, aponta Firjan. Evento avaliou o uso do gás em veículos pesados

Os benefícios econômicos, ambientais e sociais da expansão, e a desburocratização do uso do Gás Natural Veicular (GNV) e os procedimentos para a sua implantação em veículos pesados foram debatidos na 3ª edição do Seminário Nacional do GNV. Uma promoção do Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Rio de Janeiro (Sindirepa) com o apoio da Firjan.

Com base na agenda da sustentabilidade e nos debates sobre desenvolvimento econômico e transição energética, a urgência na aprovação do Projeto de Lei 4.476/2020, que estabelece novo marco legal para o mercado de gás natural no país, e as consequências de sua sanção foram defendidas com ênfase durante o evento, realizado na terça-feira, 9/2. Participaram do encontro, o deputado federal Paulo Ganime; Katia Repsold, presidente da Naturgy; Carlos Magno Nascimento, gerente geral de Relacionamento com o Mercado da Firjan; entre outros especialistas. A moderação ficou a cargo de Gabriel Kprosch, vice-presidente da Associação Brasileira do Biogás (ABiogás).

Os especialistas listaram as vantagens competitivas da nova lei para a indústria brasileira, entre elas, simplificar e desburocratizar processos; garantir a flexibilidade de contratos; agilizar autorizações para a construção de novos gasodutos de transporte e armazenamento; além de definir regras claras para que mais competidores participem da produção, aumentando a competitividade e reduzindo os preços.

“Há diversos investimentos mapeados para o gás natural no Rio de Janeiro, estado que tem o protagonismo na produção desse insumo no país. Investimentos da ordem de R$ 45 bilhões, segundo estimativas da federação. A votação do marco nos dará o estímulo necessário para destravar esses projetos e ampliar a oferta do combustível, com potencial de conversão da frota de veículos pesados para GNV e uma contribuição inestimável para o meio ambiente”, enfatizou Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente da Firjan.

O Comitê Nacional do GNV vem atuando para engajar outros estados no uso dessa alternativa de combustível, hoje adotada por 25% da frota de veículos leves no estado do Rio. Entre as ações do Comitê estão a criação de um grupo de trabalho para discutir e fomentar o uso de veículos pesados movidos a GNV: “Garantimos avanços importantes no estado, mesmo com as dificuldades do ano passado, mas há um longo caminho pela frente”, relatou Celso Mattos, presidente do Sindirepa.

Para Katia Repsold, presidente da Naturgy, as oportunidades de crescimento do mercado de GNV são muito grandes e essa é a vocação do Rio. “Queremos incrementar ainda mais a nossa rede de postos, que já conta com mais de 600 unidades, somente no Rio, e é possível circular pelo Rio todo só com GNV. Mas precisamos de uma previsibilidade e de uma segurança jurídica para que os nossos investimentos e projetos tenham andamento. E precisamos, acima de tudo, que o gás continue barato para ampliar o fornecimento para as indústrias, porque muitas têm buscado outras alternativas, o que encarece o preço para o consumidor”, defendeu. 

Medidas de estímulo

Medidas para estimular o uso do combustível, que é menos poluente, foram citadas como exemplo a ser adotado em todo o país. Um deles é o desconto no pagamento de IPVA para os proprietários de veículos convertidos para GNV, benefício criado em 2013 no Rio.

A conclusão da votação do marco legal foi citada por todos os participantes como imprescindível para a retomada da economia. “O que se espera é que seja aprovado ainda neste trimestre. O impacto esperado é muito grande, e os setores econômicos já começam a agir com base nessas expectativas, que incluem a diminuição do preço atual do gás em até ¼ do seu valor e a atração de diversos investidores”, ressaltou o deputado federal pelo Rio Paulo Ganime.

Daniel Lamassa, subsecretário de estado de Óleo, Gás e Energia do Rio, listou medidas previstas no governo para incentivar o uso em veículos pesados: “Vamos dedicar, na nova licitação de ônibus intermunicipais, uma quota 10% de carros movidos a GNV; implementar postos de abastecimento a gás no BRT; e instalar corredores azuis – rotas com infraestrutura para GNV em veículos leves e pesados”, relatou Lamassa.

Diego Goldin, diretor da Global Gas Mobility, trouxe a visão internacional e afirmou que a tomada de decisão das autoridades interessadas deve ser cirúrgica, para que o processo surta o efeito desejado. “O gás natural reduz custos, é mais limpo, atende a demandas de responsabilidade, ou seja, é uma bola de neve de benefícios, mas é preciso dar o primeiro passo, frear a burocracia, estabelecer novas normas, facilitar os processos, permitir que a indústria de veículos a gás usufrua das mesmas condições das outras, do diesel e da gasolina”.

Assista ao seminário na íntegra em https://www.youtube.com/watch?v=PK91ba9vFDk&feature=youtu.be

Por Leandro Eiró | Assessor de imprensa

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings