Gilmar Mendes e Ernesto Araújo discutem em rede social sobre responsabilidade nas ações de combate à pandemia

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, discutiram em uma rede social sobre uma decisão da Corte a respeito das atribuições dos governos federal, estaduais e municipais no combate à pandemia do novo coronavírus.

Chanceler do governo do presidente Jair Bolsonaro, Araújo publicou na quarta-feira (10) mensagem em inglês em que critica reportagem do canal de TV norte-americano CNN sobre a situação da pandemia no Brasil – o país passa pelo momento mais crítico do combate ao coronavírus, com mais de 270 mil mortes e risco de colapso em hospitais.

O comentário de Araújo foi feito junto a um trecho da reportagem da CNN em que dois comentaristas apontam razões para o avanço da Covid-19 no país, entre elas a “ausência de restrições” e o fato de que “o presidente tem o poder de fazer ‘lockdown’ mas escolhe não fazer isso”.

Os comentaristas afirmam ainda, no trecho do vídeo publicado por Araújo, que “o Brasil precisa repensar em como as lideranças do país vão responder ao problema da pandemia” e que “lideranças” estão “falhando em mobilizar recursos” para o combate à doença.

“A CNN entendeu tudo errado sobre Brasil e Covid”, disse o ministro na rede social. Em seguida, ele começa a listar pontos, entre eles que:

“Depois de decisão da Suprema Corte de abril de 2020, governadores – não o presidente – têm, na prática, toda a autoridade para estabelecer e administrar todas as medidas de distanciamento social.”

Pela mesma rede social e também em inglês, o ministro Gilmar Mendes respondeu a Araújo e disse que a afirmação feita pelo ministro das Relações Exteriores sobre a decisão do STF era uma “fake news”, ou seja, informação falsa.

“FAKE NEWS! Aqui está o fato real: a Suprema Corte brasileira decidiu que as administrações federal, estaduais e municipais têm a autoridade para adotar medidas de distanciamento social. Todos os níveis de governo são responsáveis pelo desastre que estamos enfrentando”, afirmou Mendes.

Nesta quinta, Araújo respondeu ao ministro do STF. O chanceler declarou que Gilmar deveria ler de novo a publicação, pois ele afirmou que a decisão do Supremo teve como “consequência” a concentração de poder nos governos estaduais.

“Leia de novo, por favor. Eu disse ‘depois da decisão da Suprema Corte’ ou seja ‘como consequência dela’, não ‘como literalmente declarado’. E eu disse ‘na prática’, indicando o efeito real da decisão. Na prática, governadores têm adotado todas as medidas que quiseram e o governo federal paga a conta”, afirmou Araújo.

Gilmar Mendes informou nesta quinta que não vai comentar a resposta de Araújo.

A decisão do STF

Gilmar e Araújo discutiram por causa de uma decisão tomada pelo STF em abril de 2020. O ministro decidiram que governadores e prefeitos, além do presidente da República, têm competência para determinar regras de isolamento, quarentena e restrição de transporte e trânsito em rodovias em razão da epidemia do coronavírus.

Os ministros julgaram uma ação do PDT contra medida provisória editada pelo presidente Jair Bolsonaro com o objetivo de concentrar no governo federal o poder de editar uma norma geral sobre os temas.

Bolsonaro têm repetido que foi impedido pelo tribunal de tomar ações mais efetivas contra a pandemia. A alegação também tem sido veiculada por parlamentares bolsonaristas e apoiadores do presidente.

Em janeiro, o STF divulgou nota em que esclarece que a Corte nunca proibiu o governo federal de estabelecer medidas de combate ao coronavírus.

“Na verdade, o Plenário decidiu, no início da pandemia, em 2020, que União, estados, Distrito Federal e municípios têm competência concorrente na área da saúde pública para realizar ações de mitigação dos impactos do novo coronavírus. Esse entendimento foi reafirmado pelos ministros do STF em diversas ocasiões”, afirmou o STF na época.

Por Guilherme Mazui

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings