Após operação da PF sobre fraudes na Saúde em 2020, Piquete espera novos passos da apuração

Investigação sobre licitações tem desdobramento com buscas em Aparecida, Guará e Potim; indícios de manipulação levam a acusação sobre empresário

Ação dos policiais federais durante operação deflagrada na RMVale; investigação na área da Saúde (Foto: Reprodução PF)

Apurando um esquema de lavagem de dinheiro e de fraudes em licitações na área da Saúde, a PF (Polícia Federal) deflagrou uma operação na manhã da última quinta-feira (15) em quatro cidades da região. O trabalho é um desdobramento de uma ação realizada no ano passado que investigou o desvio de verbas públicas em Piquete no último ano, ainda sob administração de Ana Maria de Gouvêa, a Teca (PSB).

De acordo com a PF de Cruzeiro, a operação, batizada de ‘Quid Pro Quo’ (expressão em latim que significa “tomar uma coisa por outra”), cumpriu 12 mandados de busca e apreensão em casas de empresários e funcionários públicos em Aparecida, Guaratinguetá, Potim, Taubaté e na capital paulista.

Apesar de afirmar que não pode revelar quais prefeituras têm contratos sob suspeita e servidores municipais investigados, a delegada da PF de Cruzeiro, Luciana Gebrim, informou que nove profissionais foram afastados de suas funções públicas.

Além dos membros do Executivo, um grupo de empresários sofreu o bloqueio de suas contas bancárias e sequestro de bens. Segundo a delegada, os integrantes da quadrilha são investigados desde a operação “Phármaco”, deflagrada
em 15 de maio de 2020 em Piquete. Na ocasião, os policiais apuraram fraudes em licitações, desvio de verba da
Saúde e superfaturamento no preço de medicamentos e insumos médico-hospitalares fornecidos à Prefeitura.

Um servidor municipal, que até hoje não teve sua identidade divulgada à mídia, foi afastado do cargo por envolvimento no caso. “Os materiais apreendidos na ação de Piquete revelaram a associação criminosa de um grupo de empresários responsáveis por fraudes em licitações em diversas prefeituras do Vale e outras regiões, sendo que um deles teve seu recolhimento domiciliar decretado na operação desta última quinta-feira”, explicou Luciana.

A delegada informou ainda que a próxima etapa do trabalho será a análise dos novos documentos e materiais apreendidos nas casas dos investigados.

Em nota oficial, a PF detalhou que o esquema consistia na “manipulação de orçamentos estimativos e na montagem de editais, com a entrega de produtos superfaturados, em quantidade inferior à do contrato. De antemão, já se sabia quem seria o vencedor, tendo em vista ajuste prévio realizado com servidores municipais que em troca recebiam vantagens econômicas (trecho do documento)”.

Caso sejam comprovadas suas participações no esquema fraudulento, os envolvidos responderão por associação
criminosa, corrupção ativa ou passiva, fraude em licitações e lavagem de dinheiro. Eles podem ser condenados até
29 anos de prisão.

Como a primeira operação da PF apurou fraudes no setor da Saúde da Prefeitura de Piquete em 2020, a reportagem do Jornal Atos solicitou um posicionamento da ex-prefeita (PSB), mas ela preferiu não se manifestar, afirmando que não está ciente do atual andamento das investigações.

Por Lucas Barbosa | Jornal Atos

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings