Suplente de Fernando Cury toma posse na Alesp após deputado ter mandato suspenso por importunação sexual

Padre Afonso Lobato (PV) assume cargo por 6 meses e promete ações pela saúde pública, especialmente no Vale do Paraíba. Na semana passada, em decisão inédita, deputado do Cidadania foi suspenso por passar a mão no seio da deputada Isa Penna (PSOL).

Padre Afonso Lobato (PV) assume nesta sexta-feira (9) como suplente na Assembleia Legislativa de São Paulo, após suspensão do mandato de Fernando Cury (Cidadania), que passou a mão na colega Isa Penna (PSOL) — Foto: Rede Alesp/Reprodução
Foto: Rede Alesp/Reprodução

Padre Afonso Lobato (PV) tomou posse como deputado estadual na Assembleia Legislativa de São Paulo nesta sexta-feira (9). A convocação do parlamentar para assumir o mandato por seis meses aconteceu após o afastamento de Fernando Cury (Cidadania) por quebra de decoro parlamentar.

Na semana passada, os deputados aprovaram por unanimidade a resolução que determina a perda do mandato de Cury por 180 dias no processo em que a deputada Isa Penna (PSOL) o acusou de importunação sexual.

Foram 86 votos a favor e nenhum contra – não houve abstenção, nem voto em branco. A suspensão é inédita na Casa Legislativa paulista e ocorreu após consenso no Colégio de Líderes.

Padre Afonso Lobato assume o cargo porque o PV integrava a coligação que elegeu o Cury em 2018. Ele foi empossado às 10 horas pelo 2º vice-presidente da Alesp, André do Prado (PL).

Natural de Redenção da Serra, região do Vale do Paraíba, Padre Afonso é formado em Filosofia, Teologia e Direito, e já ocupou uma cadeira no legislativo paulista por quatro mandatos – 2003 a 2006, 2007 a 2010, 2011 a 2014, e 2015 a 2018.

Em seu breve discurso, Padre Afonso disse que o mandato será importante para o Vale do Paraíba, região onde nasceu, mora, e que é pouco representada na Assembleia e na Câmara Federal. Ele prometeu implementar ações na área da saúde.

“Em Taubaté temos um Ambulatório Médico de Especialidades (AME) pronto para inaugurar, mas travado. Não sabemos o motivo pelo qual não foi inaugurado para atender a uma população que não somente sofre com a pandemia, mas com outras doenças, que não deixaram de existir”, citou o parlamentar, acrescentando que a unidade de saúde poderia atender 11 municípios.

Fachada da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) — Foto: José Antonio Teixeira/Alesp/Divulgação
 Foto: José Antonio Teixeira/Alesp/Divulgação

Caso Isa Penna

Em dezembro de 2020, uma câmera de segurança da Alesp flagrou o momento em que o deputado Fernando Cury passou a mão no seio da também deputada Isa Penna no plenário, em um abraço por trás, durante a votação do orçamento do estado para 2021.

A parlamentar denunciou o episódio no Conselho de Ética da Casa e, após diversas reuniões virtuais entre os integrantes, o relator do caso, o deputado Emídio de Souza (PT), propôs a punição de 180 dias de suspensão do mandato. Ele disse que desejava pedir a cassação de Cury, mas, considerando que dificilmente o pedido seria aprovado, reduziu a punição.

O deputado Wellington Moura (Republicanos), também integrante do Conselho de Ética, discordou do relator, pediu uma pena mais branda e foi acompanhado pela maioria – o colegiado decidiu, por 5 votos a 4, por suspender Cury por 119 dias, punição que não traria impactos ao mandato de Cury, uma vez que permitiria a continuidade dos trabalhos no gabinete e a manutenção de verba.

Quando o caso chegou ao plenário da Alesp, o novo presidente, Carlão Pignatari (PSDB), chegou a tentar impedir que os deputados propusessem punições mais duras a Cury e indicou que eles deveriam se ater ao parecer do Conselho de Ética, de votarem pela suspensão por 119 dias ou arquivar o caso.

Pignatari, no entanto, se mostrou mais flexível depois que Isa Penna e Emidio de Souza acionaram a Justiça para análise deste impedimento, e depois que a maioria dos deputados criticou a punição de 119 dias.

Na quinta-feira (1º) os deputados decidiram pela perda do mandato de Fernando Cury por 180 dias, punição que implica a paralisação do mandato e do gabinete, com a consequente posse do suplente, que pode formar sua própria equipe.

Nunca um deputado havia sido suspenso na Alesp. A Casa tem um episódio de cassação, em 1999, do ex-deputado Hanna Garib, acusado de envolvimento na chamada Máfia dos Fiscais.

O deputado estadual Fernando Cury, no plenário da Assembleia Legislativa de SP (Alesp). — Foto: Divulgação/Agência Alesp
 Foto: Divulgação/Agência Alesp

Outras investigações

Fernando Cury também foi denunciado pelo crime de importunação sexual pelo Ministério Público.

A denúncia foi oferecida no final de março pelo Procurador-Geral de Justiça, Mario Luiz Sarrubbo ao desembargador João Carlos Saletti, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça (TJ-SP).

O deputado estadual também é alvo de um processo disciplinar no partido dele, o Cidadania, que o afastou de suas funções na legenda em 18 de dezembro, após a repercussão do caso.

O Cidadania considerou que o episódio de importunação sexual na Alesp foi “desrespeitoso, afrontoso e deve ser combatido”, e o Conselho de Ética da legenda recomendou ao Diretório Nacional a expulsão do parlamentar do partido.

A expulsão de Cury seria decidida na reunião do Diretório Nacional no dia 13 de janeiro, mas o encontro foi suspenso por ele ter conseguido uma liminar na Justiça de Brasília para suspender o processo interno.

A juíza Thassia de Moura Guimarães, da 20º Vara Cível de Brasília, entendeu que o processo contra o deputado deveria primeiro ser direcionado para a Alesp, no âmbito estadual do Cidadania em São Paulo. Depois disso é que ele deve ser analisado no âmbito nacional.

Deputado Fernando Cury passa a mão na deputada Isa Penna — Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings