As Trapeiras divulga aplicativo de combate à violência contra mulheres em projeto virtual de teatro

O app PenhaS, do instituto AzMina, é um dos serviços indicados pelo coletivo As Trapeiras na circulação do projeto Fortalecendo Mulheres. O grupo realiza ações virtuais com mulheres que foram vítimas de violência doméstica, promovendo autoconhecimento para a quebra destes ciclos. 

Na pandemia As Trapeiras usam o teatro digital para conscientizar mulheres sobre meios eficazes de denúncia

A pandemia da COVID-19 fez com que os índices de violência contra a mulher crescessem de forma alarmante. Com isso, muitas iniciativas foram adaptadas para o universo digital na tentativa de criar espaços de diálogo e acolhimento para as vítimas.

A criação de espaços seguros que favoreçam o diálogo é o primeiro passo para que muitas mulheres reconheçam que estão inseridas em um ciclo de violência. As redes de apoio criadas nesses ambientes são capazes de dar condições para o rompimento de relações abusivas.

Pensando nisso, o Coletivo As Trapeiras criou o “Fortalecendo Mulheres”, projeto contemplado na 17ª edição do Programa para a Valorização de Iniciativas Culturais do Município de São Paulo (VAI) 2020 – Modalidade 2, que desde março de 2021 se conecta com mulheres trans e cis, criando um espaço de fuga do cotidiano para dialogar, criar estratégias e fortalecer a rede de apoio.

O grupo fomenta o empoderamento feminino através da arte, realizando apresentações do espetáculo de teatro fórum “Tramarias: Libertando-se das Tramas” e oficinas – envolvendo construção de xequerês, danças circulares, práticas teatrais – auxiliando no fortalecimento das mulheres. 

“Empoderar não é algo que acontece de fora para dentro, mas sim um processo interno. Por isso, a cada encontro, a cada processo de frustração, de oportunidade, de desafio, nós nos fortalecemos”, dizem As Trapeiras.

E é durante as ações deste projeto que As Trapeiras aproveitam para transmitir informações relevantes e caminhos para ampliar a rede de proteção dessas mulheres. O app PenhaS, do instituto AzMina, é um dos serviços indicados pelo grupo.

Lançado em março de 2019, o aplicativo PenhaS tem abrangência nacional, oferecendo apoio para mulheres em relacionamentos abusivos. Ao baixar o aplicativo, todas as mulheres (em situação de violência ou não) devem realizar um cadastro para ter acesso a: informação, diálogo sigiloso, apoio, rede de acolhimento e botão de pânico, onde pessoas de confiança podem ser acionadas em caso de urgência. 

As usuárias podem ampliar seu conhecimento sobre os direitos da mulher, notícias sobre violência doméstica, e até ter acesso a um mapa das Delegacias e Serviços de Atendimento à Mulher de todo o Brasil, traçando a rota até o local mais próximo. Além disso, o app pode ativar uma gravação de áudio que capta o som ambiente, criando a oportunidade de produzir provas para a justiça.

Qualquer mulher pode fazer parte dessa rede de diálogo, oferecendo acolhimento para as vítimas de violência. As usuárias do aplicativo podem interagir no feed e aquelas em situação de violência permanecem anônimas e escolhem com quem conversar.

A parceria entre o Coletivo As Trapeiras e o instituto AzMina começou em 2017, quando o grupo viabilizou uma apresentação do espetáculo “Tramarias” (1ª versão) no Ministério Público de São Paulo, atingindo a funcionárias/os de diferentes níveis hierárquicos dentro do serviço. 

Em 2019, o grupo participou do lançamento do Aplicativo PenhaS no SESC Pompeia, apresentando a segunda versão do espetáculo “Tramarias: Libertando-se das tramas” e promovendo  um Bate-papo sobre o aplicativo PenhaS.

No mês de março de 2021, o PenhaS foi relançado, e As Trapeiras incluíram em seu projeto a difusão das informações referentes ao aplicativo, especialmente nas periferias – onde os casos de violência doméstica têm crescido vertiginosamente. 

Nos dias 03, 10, 17 e 24 de maio de 2021, às 14h00, serão realizadas ações com mulheres em parceria com a Casa Anastácia e Casa Viviane, Centros de Defesa e Convivência da Mulher localizados na Zona Leste de São Paulo

“Nestes tempos pandêmicos, temos o dever de continuarmos nos fortalecendo, e dessa forma, prosseguimos em parceria com AZMina, apoiando-nos em ações diretas para o combate da violência que sofrem as mulheres”, finalizam As Trapeiras. 

As Trapeiras unem-se para provocar a reflexão e conscientização sobre as problemáticas relacionadas à mulher no atual sistema patriarcal. Buscando criar parcerias e redes de fortalecimento nos Serviços Especializados de Atendimento à Mulher por onde circulou – no estado de São Paulo e Paraná – o grupo já acolheu mais de 6.000 (seis mil) mulheres em situação de violência, abordando casos individuais e coletivos vivenciados nas oficinas já ministradas. 

O coletivo As Trapeiras foi fundado por Sabrina Motta, Jessica Duran e Ivy Mari Mikami. Já contou com as artistas Carol Doro, Patrícia Silva, Marina Affarez, Cecília Botoli, e atualmente é integrado pelas artistas plurais Amabile Inaê, Ivy Mari Mikami e Verónica Gálvez Collado.

Para mais informações, acesse: 

Site: astrapeiras.wixsite.com/as-trapeiras 

Instagram: @astrapeiras

Facebook: www.facebook.com/astrapeiras 

Youtube: www.youtube.com/channel/UCrDAharuzeZCtg7tazFJGHw/featured 

Baixe o PenhaS: www.penhas.com.br

Para conhecer melhor o aplicativo PenhaS, acesse: https://azmina.com.br/penhas/

Por Luciana Gandelini | Assessoria de Imprensa

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings