Projeto de lei na Câmara de Paty do Alferes, RJ propõe mudar nome da Praça Manoel Congo

Um projeto de lei na Câmara Municipal de Paty do Alferes (RJ) quer mudar o nome da Praça Manoel Congo, no Centro, para Pastor João Auto da Silva, que morreu de Covid-19 em janeiro na cidade. Lideranças do município se manifestaram contra essa proposta.

O projeto seria votado na quarta-feira (5), mas a votação foi adiada, justamente por conta da repercussão entre os moradores.

Uma das entidades que se mostrou contra a aprovação é o grupo Turismo Rural de Paty do Alferes, um coletivo que conta com a participação de empreendedores da cidade, do Conselho de Cultura, Conselho de Turismo e do Convention Bureau Vale do Café.

Praça Manoel Congo, Paty do Alferes — Foto: Divulgação/PMPA
Praça Manoel Congo, Paty do Alferes — Foto: Divulgação/PMPA

O presidente do grupo, Luccas Faillace Monte Mór, argumenta que Manoel Congo é uma figura histórica que participou da “maior revolução de escravos do estado do Rio de Janeiro”.

“Manoel Congo, pra quem não sabe, foi o líder negro que participou da maior revolução de escravos do estado do Rio de Janeiro. Foi o primeiro herói negro do estado do Rio, de uma revolução que assombrou todos os barões do café do Vale do Paraíba. A praça Manoel Congo é uma homenagem a toda essa luta e toda essa representatividade”, explicou Luccas Faillace.

Praça Manoel Congo, Paty do Alferes — Foto: Divulgação/PMPA
Praça Manoel Congo, Paty do Alferes — Foto: Divulgação/PMPA

As entidades protocolaram uma nota de repúdio na Câmara Municipal pedindo que os vereadores votem contra o projeto de lei de mudança do nome da Praça Manoel Congo.

“Que o vereador desista ou que a câmara e os 11 vereadores votem contrários a esse projeto de lei justamente por afrontar todo esse nosso patrimônio histórico e cultural da cidade, que deveria sim estar sendo valorizado, enriquecido, divulgado […] e não apagado para homenagear uma pessoa que também foi importante, mas a gente entende que existe outras formas se homenagear essa figura cativa dentro da nossa cidade”, disse Luccas Faillace Monte Mór.

Em nota, a Câmara Municipal de Paty de Alferes disse que o projeto estará em pauta na sessão da próxima quarta-feira (12) e contará com a participação dos representantes do turismo rural de Paty do Alferes que protocolaram o abaixo-assinado e nota de repúdio ao projeto de lei.

Quem foi Manoel Congo

Manoel do Congo e Marianna Crioula — Foto: Divulgação
Manoel do Congo e Marianna Crioula — Foto: Divulgação

Ao lado de Marianna Crioula, Manoel Congo liderou uma das mais importantes revoltas contra a escravidão no Vale do Café. Foi mais especificamente em Paty do Alferes que se desenrolou um dos levantes dessa revolução no estado do Rio.

“Por volta da meia-noite do dia 5 de novembro de 1838, as portas das senzalas da Fazenda Freguesia eram arrombadas e um grupo de negros cruzou correndo o pátio em busca de suas mulheres que estavam no sobrado. Manoel Congo e Marianna Crioula iniciavam ali a saga que os levaria à história, e que, para ele, seria o caminho da morte”, diz um trecho do texto no site da prefeitura de Paty do Alferes sobre a história de Manoel Congo.