Em meio a ocupações, pressão por moradias cresce em Volta Redonda

No dia 27 de maio, cerca de 850 famílias, segundo a Defensoria Pública Estadual, foram alvo de uma ação por reintegração de posse, sendo expulsas do terreno entre os bairros Jardim Belmonte e Santa Rosa, na região limítrofe entre Volta Redonda e Barra Mansa. Após se verem mais uma vez sem teto, os integrantes do movimento marcharam em direção ao Palácio 17 de Julho, no bairro Aterrado, onde montaram acampamento.

A ocupação em frente a sede do governo municipal, a princípio, seria apenas temporária, com previsão de uma semana, já dura mais de um mês. Famílias que integram o movimento ‘Ocupação da Paz’ reclamam da falta de diálogo do prefeito Neto (DEM).Com o movimento acampado em um bairro central da cidade, o debate em torno da questão habitacional voltou a ganhar os holofotes e atormentar Neto e sua equipe. Outras ocupações de terras já surgiram no município.

No último dia 3, cerca de 70 famílias do movimento ‘Reflexo do Amanhã’, começaram a montar um assentamento em um terreno no bairro Padre Josimo. Montado na Rua 25, o acampamento, de acordo com seus organizadores, conta com famílias que já estão habituadas à triste realidade da falta de moradias. Essas pessoas, inclusive, estavam no mesmo terreno que a ‘Ocupação da Paz’ e alegam que foram prejudicadas pela ação de reintegração. “No sábado (dia 3), data marcada por manifestações pela saída do presidente Bolsonaro em todo o Brasil, as famílias se organizaram e somam na indignação e descaso dos governos, com a pandemia, falta de moradia e condições dignas para o povo pobre da periferia, além da corrupção que agora está escancarada”, afirma um comunicado da ocupação ‘Reflexo do Amanhã’.

Bem como o ‘Ocupação pela Paz’, o movimento ‘Reflexo do Amanhã’ é composto por muitos trabalhadores que viram suas economias diminuírem com a chegada da pandemia, tornando o simples ato de pagar aluguel algo insustentável. Além disso, as lideranças do acampamento no Padre Josimo ressaltam que muitos de seus membros são metalúrgicos da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que presenciaram uma “queda brutal de sua qualidade de vida”. “Volta Redonda é conhecida como a ‘Cidade do Aço’ por conta do impacto da CSN na dinâmica do município, que, apesar de pequeno, conta com uma população de quase 300 mil pessoas. Os operários da CSN, no entanto, vêm sentindo uma queda brutal de sua qualidade de vida e por isso muitos deles integram as dezenas de famílias que começam a constituir a nova ocupação”, relatam as lideranças em outro trecho da nota.

No início da semana, o ‘Reflexo do Amanhã’ começou a levantar as primeiras barracas no terreno. Na quarta-feira (dia 7), em postagem nas redes sociais, o movimento contou que o banheiro do barracão já estava sendo montado e que o movimento iria “mostrar para os de cima que podemos dar a função social que a terra não tem há tempos”. Procurada pela Folha do Aço para se manifestar sobre o tema, a prefeitura de Volta Redonda não retornou os contatos. 

Proposta e contraproposta

Não é exagero dizer que a questão habitacional é uma pedra no sapato do prefeito Neto. Em seu quinto mandato (2012-2016), ele prometeu políticas públicas capazes de solucionar o problema dos desabrigados. No entanto, poucos ou quase nenhum método efetivo foi adotado. O problema foi levado literalmente à frente do prefeito, que viu as famílias do movimento ‘Ocupação pela Paz’ montarem acampamento na Praça Sávio Gama. Desta vez, para tentar solucionar o problema, a Prefeitura abriu negociações com os ocupantes do assentamento. As conversas envolveram até mesmo a Diocese Barra do Piraí – Volta Redonda, na figura do bispo Dom Luiz Henrique da Silva Brito, que acompanhou o imbróglio.

Após muitas conversas, a administração municipal propôs o fornecimento de aluguel social para aqueles que se enquadrarem nas condições do programa, daria cestas básicas para os desabrigados, além de fornecer emprego para cerca de 40 integrantes do movimento, moradores de Volta Redonda, considerados arrimos de família. As propostas, no entanto, foram questionadas pelas lideranças, que por meio de um documento, fizeram considerações a respeito de aspectos do acordo oferecido.

No documento, intitulado de “A especulação imobiliária é uma máquina de moer gente”, o ‘Ocupação pela Paz’ aborda os principais pontos de discordância entre movimento e prefeitura. Para os representantes do acampamento, “ver tanta terra vazia na cidade e tanta gente sem casa, torna a proposta de aluguel social indefensável, além de mais onerosa e nada efetiva para a prefeitura, visto que não resolve o problema de habitação.”

O movimento vai além e afirma que o “problema habitacional não é um problema do indivíduo, mas sim de toda a cidade, uma vez que a casa não é só a moradia de alguém, mas o abrigo de todas as políticas públicas.” Até o momento, acampamento e Palácio 17 de Julho seguem sem acordo e as famílias ocupando a Praça Sávio Gama e outras áreas particulares na cidade.

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings