Índice de Educação Inclusiva, no sistema municipal de ensino é sancionada em Itatiaia

Lei de autoria de Bruno Diniz qualificará o grau de adaptação para atendimento à pessoa com deficiência 

A Lei Nº 1.152 de 02/07/2021 que institui o índice de Educação Inclusiva (IMEI), no sistema municipal de ensino é um projeto de lei de autoria do Vereador Bruno Guimarães Diniz, o Bruno Diniz (SOLIDARIEDADE), aprovado pela Câmara Municipal que foi sancionado recentemente pelo Executivo Municipal.

“O prefeito teve a sensibilidade ao sancionar uma Lei que qualificará o grau de adaptação para atendimento à pessoa com deficiência de cada uma de suas unidades. O IMEI é uma unidade de medida de análise qualitativa, dada a cada recurso de acessibilidade e inclusão separadamente. O Índice Municipal de Educação Inclusiva deverá ser público e estar disponibilizado, de modo claro e simples, nos portais de informação da prefeitura. 

O Índice Municipal de Educação Inclusiva deverá avaliar, em cada unidade de ensino, os seguintes critérios: 

I – a presença de recursos para educação bilíngüe de surdos em Libras/Português, 

II – a presença de recursos para educação de alunos com comprometimento multissensorial (surdo cegos), cegos ou de baixa visão; 

III – a presença de recursos de acessibilidade para alunos cadeirantes ou com outras dificuldades de locomoção; 

IV – a disponibilidade de profissionais de apoio com treinamento em educação inclusiva; 

V – a adaptação da estrutura, física e profissional, para recepcionar alunos com transtornos mentais e demais deficiências intelectuais; 

VI – a presença de recursos para socorro e atenção médica emergencial; 

VII – a disponibilidade de profissionais de saúde capacitados para o atendimento emergencial do aluno com deficiência; 

VIII – a disponibilidade de dieta adaptada para os alunos com restrições alimentares associadas à sua deficiência; 

IX – a avaliação global dos usuários do sistema municipal de ensino cadastrados. Parágrafo único – Para os fins do disposto no inciso 

IX, o Poder Público deverá disponibilizar, em portal de fácil acesso, mediante cadastro pessoal, meio para que as famílias dos alunos possam avaliar as condições das unidades de ensino. 

O Poder Público regulamentará os critérios de avaliação do índice e o órgão responsável por operá-lo. Fica autorizado ao executivo municipal a adoção de pontos complementares àqueles indicados no art. 3°. 

Os alunos com deficiência receberão, mediante requerimento, prioridade nas matrículas no sistema municipal de ensino, quando pretenderem vagas em escolas cujos índices de educação inclusiva mais altos se relacionem à deficiência do aluno. 

A prioridade da qual trata o caput estará condicionada à indicação de que a deficiência do aluno se relaciona aos melhores índices da escola. 

Fica facultado ao poder público a designação de unidades pólo de educação inclusiva, com base nas pontuações de cada escola no IMEI 

Segundo o vereador Bruno Diniz: “A precariedade dos recursos de acessibilidade e de educação inclusiva de algumas escolas é um problema freqüentemente relatado pelas famílias de pessoas com deficiência (PCDs). Não existe hegemonia, hoje, entre as escolas do município, com relação aos recursos de acessibilidade ou às estruturas para a real e eficiente promoção da educação inclusiva.

– Cada escola é dotada de estruturas que melhor ou pior acomodam alunos com determinados tipos de deficiência. Uma escola terá uma arquitetura que favorece mais a circulação de alunos com dificuldade de locomoção, enquanto outra terá um número maior de profissionais treinados ou capacitados para lidar com a criança com deficiência e esperar que todas sejam igualmente boas, nesse momento, é irreal. 

– Num mundo ideal ou ao menos comprometido com a concretização da educação inclusiva, todas as escolas teriam estruturas igualmente preparadas para lidar e bem atender todo e qualquer aluno, com toda e qualquer modalidade de deficiência. Enquanto isso não é uma realidade, temos que utilizar ferramentas que melhor orientem a distribuição desses alunos pela cidade e favoreçam a construção de políticas públicas mais eficientes, de modo a: 1) não obstruir a inclusão do aluno PCD e a convivência dele com os demais alunos sem deficiência; e 2) viabilizar o acesso do aluno PCD à melhor estrutura disponível para ele, no presente. 

Disso posto, existem hoje dois problemas vigentes na cidade, que pretendemos corrigir com o presente projeto: 1) a não existência de dado ou publicização do quão bem adaptada em cada quesito de acessibilidade cada escola do município é; 2) o processo de matrícula escolar não levar em consideração a logística de adequação/aluno, na distribuição das vagas e do estudantes pela cidade e tampouco convida às famílias a participar desse processo. 

– O índice Municipal de Educação Inclusiva (IMEI) se propõe a solucionar essas duas questões, com uma intervenção meramente logística na distribuição dos alunos com deficiência pela cidade. Primeiramente, publique-se as qualidades de cada escola, por nota e por tipo de recurso de acessibilidade. Em seguida, convide-se às famílias a optarem, no processo de matrícula dos alunos, por escola mais distante de seus domicílios, mas que melhor atendam às necessidades específicas do aluno PCD. Do ponto de vista de política pública, o Índice também favorece a melhor alocação de recursos pela prefeitura. Explicamos. 

– Uma escola pólo com um alto Índice em educação de surdos, por exemplo, pode vir a acabar recebendo, organicamente, um número maior de alunos surdos em uma mesma escola. Isso, da perspectiva social é ótimo, pois permite ao aluno surdo que conviva com os alunos ouvintes, no mesmo passo em que permite que eles convivam com outros alunos surdos, troquem experiências e reforcem sua cultura, sem terem de viver, radicalmente, com uma eventual segregação. 

– Do ponto de vista da gestão, uma escola que concentra um número maior de alunos com um mesmo tipo de deficiência, permite à prefeitura direcionar recursos e adaptações de uma mesma natureza de forma menos dispersa, portanto, mais eficiente. Ao invés de ter que ter um instrutor de Libras em 10 escolas diferentes, possivelmente o executivo poderá ter dois, em uma mesma escola, para atender o mesmo número de alunos que outrora estariam espalhados por 10 escolas diferentes. De modo algum isso exime a prefeitura de sua responsabilidade em prover recursos de acessibilidade em todas as escolas, ainda mais tomando como base o fato da preferência por matrícula de escola de IMEI mais alto ser uma opção. 

– O IMEI apenas facilita para que as famílias busquem, na falta de um mesmo padrão de ensino inclusivo em toda a capital, uma estrutura que melhore recepcione os alunos PCDs naquele momento. Da perspectiva constitucional e sistemática, o índice confere maior transparência no processo de transição da educação especial para inclusiva, no mesmo passo em que fortalece o poder de família, antes completamente negligenciado na escolha das escolas do aluno PCD. I”, finaliza o vereador.

O Projeto de Lei 33-C do vereador Bruno Diniz poderá ser acessado no Site da Câmara Municipal de Itatiaia

Essa Lei foi publicada no Boletim Oficial do Município na Edição Nº 078, em 05/07/2021

Fotos: Marlene Modesto/Divulgação

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings