Justiça Eleitoral determina cassação do prefeito de Vassouras e de sua vice

O juiz da 41ª Zona Eleitoral de Vassouras, Laurício Miranda Cavalcante, determinou a cassação do mandato do prefeito reeleito de Vassouras, Severino Dias (DEM), e da vice-prefeita, Rosi Farias, por uso indevido da máquina pública e abuso de poder político durante a corrida eleitoral de 2020. Apesar da decisão, a assessoria da prefeitura informou na quinta-feira (dia 1º) que ambos permanecem nos cargos, já que é uma decisão em primeira instância, cabendo recurso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Além da perda de mandato, a Justiça decretou que o político seja considerado inelegível pelos próximos oito anos, contados a partir do período da última eleição. A denúncia foi apresentada pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) e refere-se a uma lei aprovada na Câmara de Vereadores, em 2020, ano de eleição, que aumentou a alíquota previdenciária dos servidores de 11% para 14%.

O novo índice deveria ter vigorado a partir da aprovação da lei. No entanto, pondera o MPE, “o Chefe do Executivo à época, ora investigado, suspendeu deliberadamente sua aplicação, fato que caracterizaria evidente medida de controle de repercussão negativa gerada entre os servidores com fins eleitoreiros, e notória interferência do ato na normalidade do pleito.”

Os advogados de Severino sustentam que seu cliente tinha “prazo até 31 de julho de 2020”, conforme previsto aos Estados, Distrito Federal e Municípios, para que comprovasse “a edição de lei de adequação das alíquotas de contribuição ordinária devida ao RPPS”. Ainda conforme pronunciado no curso do julgamento, a defesa cita que, no dia 6 de abril, a nova alíquota foi aprovada, sendo prorrogada, por meio de duas portarias, de junho e setembro, para se adequar a determinação. A Covid-19 também serviu como justificativa.

Segundo a defesa do prefeito, “o aumento da alíquota no momento em que se vivencia uma pandemia colocaria em risco a subsistência do servidor e de seus familiares, concluindo que a não aplicação do aumento do desconto teve escora no princípio da dignidade da pessoa humana e nas portarias expedidas pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que se valeram do estado de calamidade provocado pela pandemia da Covid-19 para ampliar a prorrogação da edição de norma regulamentadora no âmbito do Município.”

Os advogados sustentam ainda que a conduta tem “pouca gravidade em conjunto com a diminuta potencialidade lesiva” e que o ato praticado, alegadamente abusivo, não teve o condão de alterar o resultado do pleito.

A defesa da vice-prefeita Rosi Farias se limitou a reiterar os argumentos apresentados por Severino Dias e mencionou que, na época dos fatos mencionados, ocupava cargo apenas no legislativo, não possuindo influência sobre as determinações.

Aplicação da lei

Para o juiz Laurício Miranda Cavalcante, seria uma obrigação a aplicação da lei no momento de sua aprovação. No entendimento do magistrado, caberia ao prefeito aplicar o reajuste já em abril de 2020, mas só foi executado em janeiro deste ano, o que, nas considerações dele, não faz sentido, visto que a justificativa para não aplicar a lei foi a pandemia, que em janeiro continuava acontecendo.

Em outro ponto, o responsável pela 41ª Zona Eleitoral de Vassouras pondera sobre um argumento do prefeito, que afirma ter se omitido na implementação da lei, aprovada em abril de 2020, devido a uma suposta irregularidade na lei nacional. “Caso assim o fosse, deveria ter adotado a providência judicial pertinente a buscar a declaração de tal inconstitucionalidade, e não simplesmente prorrogar, a seu bel prazer e pelo prazo que livremente escolheu, a aplicação efetiva de tal lei”, relatou o juiz.

De acordo com Laurício Cavalcante, a não aplicação da lei poderia implicar em um aumento da popularidade de Severino, que, naquela altura, disputaria a reeleição. “Por certo que os menos bem-informados, indiferentes às relevantes mudanças promovidas pela reforma da previdência no país, certamente passaram a verificar seus contracheques após a emissão dos comunicados referidos, e, uma vez não constatando a dedução dos 14% (quatorze por cento) até o dia das eleições, certamente, no mínimo, passaram a simpatizar com o primeiro investigado. Já aos mais informados, cientes das medidas aprovadas no Congresso Nacional e da própria lei aprovada pela Câmara Municipal desta cidade, a satisfação e o contentamento com o comportamento omissivo do primeiro investigado foram ainda mais significativos”, disse.  

O magistrado ainda reiterou a respeito da necessidade de se investigar se a omissão trouxe prejuízos ao Fundo de Previdência do Município de Vassouras, o que pode render uma investigação por improbidade administrativa para o prefeito.

Defesa

Procurados para comentar sobre a decisão da Justiça Eleitoral, o prefeito Severino Dias e a vice Rose afirmaram que não houve dolo nem improbidade. Eles alegaram, em entrevista à TV Rio Sul, que apenas optaram por não repassar o aumento de 3% da alíquota previdenciária dos servidores por causa da pandemia.

“Esclarecendo essa decisão da Justiça em primeira instância, nós acatamos a decisão, mesmo discordando. Mas recorreremos no TRE, em segunda instância […] Isso aqui não tem dolo, não tem improbidade. O que aconteceu nessa situação foi o aumento dos servidores de 3%, que a gente optou por não fazer nesse momento, um momento de pandemia, de crise como essa, era mais um peso para os servidores. Com o recurso, a gente continua no cargo”, disse Severino Dias.

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings