Para MP de Taubaté, SP perícia em computadores comprovou ‘fura fila’ encabeçado por Bilili

Perícia feita em três computadores do gabinete do então vereador de Taubaté localizou fichas de 5.700 pessoas que foram atendidas desde 2010 para solicitar agendamento para procedimentos de saúde na rede pública da região

Foto: /Divulgação

Para o Ministério Público, a perícia realizada em três computadores do gabinete do então vereador Bilili de Angelis (PSDB), de Taubaté, comprovou que o tucano articulou um grande esquema para ‘furar fila’ de exames e consultas na rede pública de saúde da região.
Os computadores foram apreendidos em maio de 2020, quando Bilili ainda exercia mandato. Agora, o tucano é apenas suplente.


Os três equipamentos foram periciados pelo Laboratório de Computação Forense do Caex (Centro de Apoio Operacional à Execução), que é um braço técnico do Ministério Público. No mês passado, o laudo foi anexado ao processo em que Bilili é réu por improbidade administrativa.

Nos computadores, os peritos localizaram 5.700 fichas de cadastro de moradores de Taubaté e região. Todos são referentes a casos de pessoas que procuraram Bilili ou o gabinete para solicitar agendamento de procedimentos de saúde. As primeiras fichas são de 2010.


Em alguns dos arquivos, os peritos localizaram anotações de que Bilili iria pessoalmente solicitar o agendamento no Hospital Regional de Taubaté (das outras seis rés do processo, duas eram funcionárias da unidade). Em diversas outras fichas, isso seria feito por assessoras do então vereador (duas delas são rés).


Também foram localizadas diversas citações ao nome “Valéria”. Para os peritos, essa seria Valéria dos Santos, ex-diretora regional de saúde. Pela denúncia feita pelo MP em 2018, Bilili nomeou Tatiane Cristina Carneiro, que é filha de Valéria, para atuar em seu gabinete em 2013.

No mesmo ano, Tatiane teria passado a utilizar a senha da mãe para acessar o sistema da Cross (Central de Regulação de Ofertas e Serviços da Saúde), para inserir pacientes que procuravam diretamente o gabinete.

Ainda na fase de inquérito, foram detectados acessos no sistema a partir de computadores da Câmara e de aparelhos conectados a uma linha telefônica da Tatiane. Valéria e a filha também são rés no processo.


OUTRO LADO
Procurado pela reportagem, Bilili afirmou que desconhecia o laudo pericial. “Não posso falar nada, pois não estou sabendo”. O tucano e outras quatro denunciadas negam as acusações, mas duas rés – uma ex-assessora de Bilili e uma ex-funcionária do hospital – admitiram ao MP e à Justiça terem participado do esquema.


Se condenado, o suplente de vereador, que está com parte dos bens bloqueados, pode perder a função pública, ter os direitos políticos suspensos por até cinco anos e pagar multa. A Promotoria ainda pede o pagamento de uma indenização de R$ 2,5 milhões, por danos morais difusos.

Em junho, ex-diretora regional de saúde foi exonerada pelo Estado; defesa recorre

Em 2018, após o Ministério Público denunciar o caso à Justiça, a Secretaria de Saúde do Estado iniciou uma investigação interna contra Valéria dos Santos, que era servidora de carreira da pasta e que havia se licenciado em 2017 do governo estadual para atuar como secretária de Saúde em Pindamonhangaba.

No mês passado, por entender que ela praticou atos de improbidade administrativa, a secretaria estadual exonerou Valéria. Dias depois, após tomar conhecimento da conclusão do procedimento disciplinar do Estado, a Prefeitura de Pinda também dispensou sua então secretária.


A defesa de Valéria nega que a ex-diretora regional de saúde tenha cometido qualquer irregularidade. Os advogados protocolaram um recurso no governo do Estado para tentar reverter a decisão que a exonerou dos quadros da secretaria.

Por Julio Codazzi |Jornal O Vale

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings