Vítimas de golpe milionário contam como servidor do Fórum de Barra do Piraí agia

“Amigo, prestativo e acima de qualquer suspeita”. Assim é descrito o servidor público do Tribunal de Justiça (TJRJ) Felipe Tobler Lemgruber, segundo vítimas do golpe que envolveu amigos de trabalho, advogados e ex-alunos. O caso veio à tona há cerca de duas semanas e foi denunciado, inicialmente, por funcionários do Fórum de Barra do Piraí.

As vítimas teriam acreditado na promessa de Lemgruber, com a proposta de investimento que garantia retorno rápido e com possibilidade de ganhos elevados.

“Ele mostrava prints e ainda se gabava por estar em primeiro lugar nos ganhos da plataforma e que tinha contato direto com o gerente. Afirmava que poderia ganhar de 70% a 80% do valor que foi investido. Acima de qualquer suspeita, eu acreditei e cheguei a investir R$ 250 mil. Consegui ter retorno do dinheiro, sem o mesmo prejuízo de muitos, mas acredito que mais de 100 pessoas confiaram no Felipe”, disse um homem que era amigo do servidor.

Um ex-aluno de Felipe Lemgruber, que preferiu não ser identificado, contou à reportagem que os investidores acreditaram nos planos de investimentos em “trading esportivo” apresentados por ele. O modus operandi adotado pelo servidor também ajudou a dar a falsa confiança na segurança do negócio.”Todos gostavam muito dele. O cargo que ocupava e a confiança que todos tinham nele ajudaram a convencer. Era fora de suspeita. Para dar credibilidade ao golpe dele, mandava prints dizendo ser o segundo no ranking da plataforma. Eu tive o prejuízo de R$ 15 mil, mas há casos de gente que está passando por dificuldades, de passar fome mesmo, pela falta do dinheiro”, explicou o ex-aluno.

Segundo informações repassadas por diversas vítimas, até o momento foram ajuizadas 12 ações que somadas chegam ao valor de mais de R$ 2,5 milhões, mas o valor pode chegar a mais de R$ 25 milhões. “Ele ‘limpou’ a grana de muita gente. Temos informações de que pessoas que ele convenceu fizeram empréstimo no banco, outros limparam todas as economias. Eu fiquei com um prejuízo de R$ 60 mil e a maioria dos valores eram altos. Eu sei que ele conseguiu convencer de traficante a juiz”, revela um agora ex-amigo de Felipe Lemgruber. O servidor do Fórum de Barra do Piraí teria iniciado os investimentos em “trading esportivo” em 2018 e a partir daí iniciou a apresentação da proposta a amigos com garantia de retorno rápido.

“Conversei com outras pessoas e o discurso é o mesmo, ele só muda o valor. Comigo no início, ele até devolveu valores. Agora ninguém mais consegue contato com o Felipe, que não atende as ligações. Uma advogada dele procurou algumas pessoas em uma tentativa de acordo e garantindo que o Felipe iniciaria os pagamentos. Eu acho que ele está ganhando tempo”, disse uma das vítimas.

Há aqueles que tentam ter esperança de ter o valor de volta, apesar da falta de contato e respostas por parte do servidor. “Eu, como vítima, torço que sim, mas existe uma grande chance de ele não pagar ninguém. Faz um mês que não responde mais minhas ligações ou mensagens e quando me atendeu, parecia que estava me fazendo um favor. E mais, pelo tom de voz, parecia que estava coberto de razão”, relata um ex-aluno.

Sabe-se, de concreto, que Felipe Lemgruber está foragido e que já constitui advogados para intermediar um possível acordo com as vítimas. Nenhuma das vítimas ouvidas pela Folha do Aço resgatou qualquer valor até o momento. Enquanto isso, o caso é investigado pela 88ª Delegacia de Polícia, na cidade de Barra do Piraí. “Está em andamento e sob segredo de Justiça”, informou a assessoria de imprensa do órgão, sem dar mais detalhes.

Nota

O jornal Folha do Aço procurou a advogada que representa o servidor, que preferiu aguardar o andamento do processo para manifestação quanto ao caso.

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings