Eleitora de Volta Redonda consegue sentença favorável em acusação sobre violação do sigilo do voto

A polêmica sobre as suspeitas sobre a segurança das urnas eletrônicas nas eleições e o possível retorno do voto impresso deve se arrastar por mais um tempo na Câmara dos Deputados, em Brasília. Todavia, a 1.863 km distante da capital federal, em Volta Redonda um caso de violação do sigilo do voto acaba de ter um desfecho.

A Defensoria Pública da União (DPU) na Cidade do Aço conquistou, no último mês de julho, decisão pelo trancamento de notícia-crime, instaurada pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), junto à 90ª Zona Eleitoral, na qual se apurava a configuração do crime previsto no artigo 312 do Código Eleitoral. A eleitora foi acusada de utilizar máquina fotográfica na cabine de votação durante o 1º turno das Eleições 2020.

Em seu relato, A.L.B. [iniciais da eleitora] informou que, durante a eleição, ao entrar na cabine de votação, precisou olhar a “cola” em seu telefone celular para conferir os números dos candidatos. Neste momento, o aparelho teria recebido uma notificação do aplicativo de mensagens e, então, ela teria sido acusada de estar usando a câmera de seu celular pelo fiscal da sala.

O defensor público federal Raphael de Souza Lage Santoro Soares alegou, a favor da assistida, o fato descrito ser manifestamente atípico e a irrelevância penal da conduta concretizada no simples ato de fotografar o momento da própria votação. Segundo Soares, “o crime do artigo 312 do Código Eleitoral não abrange a conduta de uma suposta violação do sigilo de voto pelo próprio eleitor, que poderia, em tese, informar a quem quisesse o conteúdo de seu sufrágio”.

Ao proferir a sentença, o juízo acatou os argumentos fundados pelo defensor de atipicidade da conduta, afirmando que a situação “trata-se de fato rotineiro e de fácil constatação mediante acesso às diversas redes sociais ou mídias”. O juiz Marcelo Costa Pereira ressaltou ainda que “o tipo penal da violação do sigilo de voto foi criado para combater a conduta denominada ‘voto de cabresto’, não sendo possível extrapolar seu nível estrito de abrangência dada à subsidiariedade do Direito Penal.”.

Em sua decisão, o magistrado conclui que “emerge dos autos, de forma inequívoca, a atipicidade da conduta” e determina o trancamento da notícia-crime por ausência de justa causa, com base no art. 395, III do Código de Processo Penal.

Polêmica sobre o voto impresso

O retorno do voto impresso divide opiniões e alimenta polêmica Brasil afora. No último dia 1º, por exemplo, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fizeram ato a favor desse sistema. Mesmo sem as provas, Bolsonaro conseguiu convencer parte da população que o sistema de votos no país é falho.

O ato, com adesão em Volta Redonda, onde uma passeata foi promovida na manhã do último domingo na Vila Santa Cecília, foi realizado dois dias depois de o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmarem que a discussão sobre o voto impresso é perda de tempo. Lira chegou a dizer que o voto impresso “é ruim para o país, é ruim para todos”.

Na Câmara dos Deputados, no final de junho foi apresentada uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que exige a adoção de um tipo de urna eletrônica que permita a impressão do registro do voto. Esse registro será uma espécie de cédula em papel, a ser depositada em recipiente indevassável, assegurada a conferência pelo eleitor, mas sem qualquer contato manual. A comissão especial da Câmara tem promovido reuniões constantes para analisar o texto do relator, deputado Filipe Barros (PSL-PR).

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings