Com aval da Câmara de Guaratinguetá para empréstimo de R$ 50 milhões, Soliva projeta ações de infraestrutura

Executivo prepara lista de investimentos para bairros orçados em R$ 100 milhões; Nei Carteiro foi único vereador contrário à proposta

O prefeito Marcus Soliva, o vice Yasumura e o presidente da Câmara, Arilson Santos; Legislativo aprova empréstimo para plano de obras (Foto: Leandro Oliveira)

Passou pelo crivo da Câmara de Guaratinguetá o projeto do Executivo que solicitava autorização para um empréstimo do Município junto à Caixa Econômica Federal, por meio do Finisa (Financiamento a Infraestrutura e Saneamento). A aprovação no plenário não apresentou sustos aos governistas, mas teve um voto contra, do vereador de oposição Nei Carteiro (MDB).
“Não sou contra o desenvolvimento da cidade, (sou) a favor, mas da maneira certa. Se você observar o que está escrito na justificativa, ele deixa bem claro que os bairros elencados são passíveis de mudança e o projeto em questão cita o valor do empréstimo, mas não diz em nenhum momento de quais investimentos de fato serão feitos”, justificou Nei, ao ser questionado sobre o motivo pelo voto contrário.

Antes da votação, o prefeito Marcus Soliva (PSC) esteve na Casa na segunda-feira (20), quando apresentou o projeto aos vereadores. Apenas dois vereadores não estiveram presentes na apresentação: Pedro Sannini (PSC), que está afastado devido a problemas de saúde, e Fabrício Dias (MDB). O segundo se reuniu com o prefeito no dia seguinte, antes da sessão e optou por votar a favor do empréstimo.

A bancada do PSD, que conta com Marcelo Coutinho, o Celão, Marcelo da Santa Casa e Rosa Filippo, votou a favor, assim como todos os vereadores presentes do PSC, Danielle Dias e Márcio Almeida. O presidente da Câmara, Arilson Santos, que votaria apenas em caso de empate, acenou favoravelmente à proposta. Do MDB, Vantuir Faria e Fabrício Dias acompanharam os demais parlamentares.

Defesa – Coube ao líder do governo na Casa, Márcio Almeida, defender a aprovação da proposta. “No projeto e no desejo dele (prefeito) é fazer reforma de praças esportivas, praças públicas e também ampliação de vias, no que diz respeito à pavimentação. Não somente recapear, mas também levar pavimentação aos bairros que ainda não tem”, destacou Almeida.

O empréstimo será pago em dez anos e tem carência de dois anos. De acordo com Márcio Almeida, a atual administração da Prefeitura começa a pagar as parcelas em 2024. Os vencimentos devem ser quitados pelas próximas duas gestões municipais.

No projeto constam obras de recapeamento e alargamento de avenidas e ruas do Pedregulho, Vila Alves, São Dimas e Colônia do Piagui. São descritas ainda pavimentações e drenagens de ruas dos bairros Clube dos 500, Pingo de Ouro, Parque das Garças, Chácaras Agrícolas Beira Rio e Chácara Piagui. Outras propostas como a fase 1 do Complexo Viário e ligação entre a avenida Padroeira do Brasil ao Complexo Mário Covas, a construção da Arena Multieventos, Duplicação da avenida Alberto Barbetta, nova entrada para o bairro Tamandaré e uma série de obras e reformas também foram listadas.

Com a aprovação, a Prefeitura poderá celebrar o convênio com a Caixa por meio do Finisa para garantir os R$ 50 milhões. O valor é metade do orçamento previsto para o plano de estrutura montado pelo governo Soliva, que conta ainda com R$ 20 milhões da Fazenda Municipal e outros R$ 30 milhões de verbas parlamentares.

Por Leandro Oliveira | Jornal Atos