Com lei aprovada pela Câmara de Guaratinguetá, SP inicia processo de regularização de igrejas em áreas públicas

Sanção do Executivo garante o direito real de uso à primeira atendida, a igreja Assembleia de Deus; proposta é debatida desde 2011

A Assembleia de Deus, primeira igreja regularizada em Guará; cronograma atende 32 terrenos (Foto: Fabiana Cugolo)

Com apuração pelo Ministério Público desde julho de 2020, as igrejas de Guaratinguetá começaram a ser regularizadas pela Prefeitura no último dia 19. Com a sanção por parte do Executivo da lei aprovada na Câmara, a primeira regularização concedeu o direito real de uso à igreja Assembleia de Deus, localizada no bairro do Campo do Galvão.

O projeto, de autoria do vereador Marcio Almeida (PSC) e coautoria de Marcelo Coutinho, o Celão (PSD), e do ex-vereador Luizão da ‘Casa de Ração’, permite a regularização por parte da Prefeitura de imóveis localizados em áreas verdes ou institucionais, como, obras sociais, ocupados por organizações religiosas para a realização de suas atividades.

A implantação de uma nova lei municipal que auxiliasse o processo de regularização destas áreas se fez necessária devido à Constituição Federal, que a partir do ano de 1988, proibiu que estados e munícipios cedessem terrenos públicos a instituições de todos os credos. Segundo Almeida, imóveis cedidos há décadas por gestões anteriores como, entidades sociais, associações de bairro, indústrias e templos religiosos são utilizados a título de comodato, e o prazo do empréstimo de alguns desses locais já está vencido.

Deste modo, em 2011, o Ministério Público solicitou à Prefeitura que as áreas fossem regularizadas ou retomadas pelo Município.

No caso específico de templos religiosos, com a barreira imposta pela Constituição Federal, a cidade enfrentava dificuldades, nas gestões de Júnior Filippo (PSD) e Francisco Carlos (PSDB), problema que continuou no governo do prefeito Marcus Soliva (PSC). “O poder Executivo nunca quis fechar as igrejas, mas ele não possuía um dispositivo legal que também permitisse que continuassem em uso. Isso veio ao longo destes anos, e confesso que eu também tive muita dificuldade de encontrar um caminho jurídico para isso. Em 2019 tive a felicidade de encontrar na Constituição do Estado de São Paulo um artigo que permitia a regularização de áreas verdes e institucionais, que estivessem sendo ocupadas por organizações religiosas. Então, (o projeto) atende em cheio a questão dos templos religiosos em Guaratinguetá”, detalhou o autor.

Com a implantação da lei, as organizações religiosas podem obter o direito real de uso com validade por tempo indeterminado, desde que os atendidos constituam uma entidade social com personalidade jurídica e que possuam o reconhecimento de utilidade pública no município. Outros quesitos considerados no processo são o da parceria da entidade com o poder público no acolhimento de pessoas em estado de vulnerabilidade, e de que a obra social seja mantida, constituída ou provida pela própria organização religiosa.

Ainda segundo Márcio Almeida, porta-voz da Gestão Soliva, o Executivo tem intenção de regularizar todos os imóveis que ainda necessitam do processo.

De acordo com informações cedidas pela Prefeitura, a secretaria de Governo, responsável pela Comissão de Regularização das áreas sob comodato, 32 terrenos estão com o título de comodato vencido, sendo 16 igrejas e instituições religiosas, 3 escolas de samba, 10 obras sociais e 3 associações de bairro.

Por Fabiana Cugolo | Jornal Atos

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings