Cruzeiro congela tarifa de transporte público e garante subsídio por passagem

Aprovada na Câmara, medida temporária mantém preço da passagem em R$ 3,80; aporte de R$ 0,80 para empresa por passageiro segue até fevereiro de 2022

Embarque em ônibus da linha Vila Maria; tarifa do transporte segue em R$ 3,80 após medida da Prefeitura (Foto: Gabriel Mota)

A Câmara de Cruzeiro aprovou um projeto do prefeito Thales Gabriel Fonseca (PSD) para subsidiar R$ 0,80 por passagem no transporte público da cidade. A proposta é manter a tarifa fixada em R$ 3,80, sem causar prejuízo à empresa responsável pelo serviço.

Há cerca de dois anos com o valor da passagem de ônibus fixado um reajuste era previsto para 2021 (em contrato) um reajuste para as linhas de Cruzeiro, que chegariam a R$ 4,60. Para cumprir essa determinação contratual, a Prefeitura enviou o projeto ao Legislativo, autorizando a concessão de subsídio a ser pago à empresa Utile Transporte Urbano. Em nota, a Prefeitura afirmou que a motivação dessa propositura foi não gerar maiores preocupações econômicas para a população em meio às dificuldades encontradas devido à pandemia.

A proposta foi aprovada por 7 votos a 2. Apenas Higmar da Silva Lopes (PSD) e Wagneriano Moreira, o Fafá (PODE) votaram contrário à proposta.

Na justificativa de voto contrário ao projeto, o vereador Fafá citou a forma como a empresa foi contratada, por meio de dispensa de licitação, e a satisfação dos moradores com o serviço prestado. “Não tem uma licitação para ela, então foi escolhida a J.S. Junior (Razão Social da Utile Transporte Urbano)”, lembrou o vereador. “Entendi que já não começou muito correto”, criticou.

Higmar também citou a satisfação dos usuários do serviço para justificar o voto. “A gente solicitou o plano de ação da empresa, ela apresentou e nós passamos à população, que não concordou”.

Já os moradores relatam principalmente a falta de linhas de ônibus aos finais de semana. Atualmente, os veículos circulam até às 14h aos sábados e não há circulação aos domingos.

O aposentado Miguel Ferreira (72), morador do bairro Vila dos Comerciários, elogiou o serviço, mas reforçou o apontamento sobre o déficit nos atendimentos. “O problema nosso lá é que não tem mais linhas aos domingos. Aí a turma quer fazer uma feira e não consegue vir. O resto é normal”.

A Prefeitura informou que as linhas de final de semana serão retomadas gradualmente a partir do dia 11 de setembro. A paralisação do serviço ocorreu no ano passado, com a intensificação da pandemia e a baixa demanda pelo transporte coletivo nesse período.

De acordo com Fernando Cesar, assessor da diretoria da Utile Transporte Urbano, a empresa está realizando um estudo para definir os horários das linhas, de acordo com a demanda, que será entregue à Prefeitura até a próxima quinta-feira (9). Ele também afirmou que o reajuste do valor da passagem é baseado na variação da inflação, dos preços do combustível e da mão de obra.

A reportagem do Jornal Atos em contato com a Prefeitura para solicitar mais detalhes a respeito de qual será o impacto no orçamento municipal e se há a possibilidade para a prorrogação do subsídio ao final do período, mas não houve retorno até o fechamento da matéria.

Por Gabriel Mota | Jornal Atos