Santa Casa de Lorena inicia “Infarto Zero” para diminuir mortalidade no município

Em parceria com Prefeitura, serviço foca prestação pela rede pública apenas para moradores da cidade

Equipe médica, responsável pelo atendimento iniciado com o novo plano do Infarto Zero, na Santa Casa (Foto: Gabriel Mota)

Com o intuito de reduzir os índices de mortalidade por infarto agudo do miocárdio, a Santa Casa e a Prefeitura de Lorena lançaram o programa “Infarto Zero” na última segunda-feira (20). O procedimento denominado angioplastia primária é realizado ainda no atendimento emergencial.

A possibilidade de se submeter a esse procedimento, em um momento inicial da manifestação da doença, permite uma melhor recuperação, como explicou o cardiologista criador do projeto, Dr. Luiz Heitor Demolinari Jr. “Isso vai trazer um benefício para a população de Lorena, porque nós vamos ter a oportunidade de tratar esses pacientes de forma mais precoce. Tentando assim reduzir a mortalidade da doença que mais mata na nossa era”.

O médico também atua no hospital Frei Galvão, em Guaratinguetá, onde realiza o procedimento há cerca de 15 anos, por meio de convênios particulares. Segundo ele, neste período, 10 mil atendimentos cardíacos desse tipo já foram realizados. O que, inclusive, demonstra a forma como a doença se manifesta com frequência.

Em Lorena, mensalmente, uma média de cinco pacientes aguardam pelo menos uma semana para serem transferidos para outro município na realização do atendimento, como reforçou a gerente de enfermagem da Santa Casa, Elaine Virgínio. “Hoje, via de regra, é feito em São José dos Campos ou em Taubaté. A nossa ideia é de que a gente consiga aplicar esse protocolo de dor torácica para identificar os pacientes subnotificados e também atender esses que nós já conhecemos a demanda”

O superintendente-geral da Santa Casa, Dario Costa, afirmou que, neste primeiro momento, os atendimentos serão custeados pelo hospital. “Nós temos um estudo de mercado do custo médio, só que nós não sabemos do tamanho dessa demanda. Então, a Santa Casa irá custear durante três meses esse projeto e, assim que nós tivermos indicadores, nós passaremos para a Prefeitura, para aí sim começar a realizar um novo convênio”

Costa reforçou ainda que apenas os moradores de Lorena serão atendidos pelo programa “Infarto Zero”, já que a Prefeitura vai custear os investimentos para esse serviço.

O prefeito Sylvio Ballerini (PSDB), por outro lado, falou sobre a possibilidade de expansão desses atendimentos para outras cidades da região, assim que o município for contemplado pela verba estadual do Tripé da Saúde.
“Acredito que, daqui a um mês, a Santa Casa de Lorena vai receber uma média de quase R$ 2 milhões por mês do Estado para melhorar o atendimento geral e também essa prevenção ao infarto, que vai atender as pessoas de Lorena e, futuramente, da região, assim que a verba for liberada” afirmou Ballerini.

Por Gabriel Mota | Jornal Atos