Empresa de Varginha investe para aumentar produção de motos elétricas em 2022

Riba Brasil mais que dobra número de postos de trabalho para ultrapassar a marca de 1.000 veículos vendidos

A mobilidade elétrica não é mais o futuro das cidades. Ela já é o presente. Segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), o número de emplacamentos de eletrificados de janeiro a outubro deste ano foi de 27 mil unidades, 74% a mais que o mesmo período do ano passado. E as motos elétricas prometem ser as principais “puxadoras” dessa verdadeira revolução. É o que aposta a Riba Brasil, situada em Varginha, no Sul do Estado, pioneira no país na montagem e no compartilhamento de motocicletas elétricas. Depois de registrar um aumento significativo nas vendas, a empresa planeja um investimento de R$ 8,5 milhões na expansão da produção visando aos mercados nacional e internacional. 

A história da Riba começa em 2006, quando a ideia de veículos elétricos populares ainda era coisa de filme de ficção científica. Em 2009, a empresa aproveitou um programa de incentivos fiscais para se instalar em Minas Gerais, já com ajuda da Agência de Promoção de Investimentos e Comércio Exterior (INDI). Nos anos seguintes, a economia brasileira estagnou e a empresa teve que buscar novas oportunidades para sobreviver.

“Nós somos uma startup e um dos sócios investidores é europeu. Conseguimos implementar na década passada projetos de compartilhamento de motocicletas na Espanha e outros países, enquanto o mercado daqui ainda era pequeno. E foi aí que o INDI foi tão resiliente quanto a gente. O Governo de Minas manteve os incentivos para a empresa funcionar, acreditando que esse mercado cresceria no Brasil. Pois esse momento chegou!”, conta Island Costa, diretor de Negócios da Empresa.

A Riba monta motocicletas elétricas, as chamadas Scooters, para usos pessoal e profissional. Esses veículos possuem várias vantagens para quem precisa se deslocar em centros urbanos, como segurança, agilidade, praticidade, baixo gasto com combustível (no caso, energia elétrica) e manutenção, baixo ruído e zero emissão de gases poluentes, além do preço bem menor em relação a um carro elétrico. Por isso, muitas empresas de entregas, autônomos e consumidores finais já estão optando pelas motos elétricas.

Com a experiência adquirida na Europa, a empresa também já oferece os serviços de aluguel, compartilhamento de motocicletas e assinatura de baterias.

Colhendo os frutos

Os números mostram que a insistência da Riba em se manter no mercado foi certeira. Desde 2019, a empresa viu a produção de scooters simplesmente quintuplicar. Island confessa que não dá para prever com exatidão qual será o crescimento nos próximos anos, mas que a empresa está investindo para suprir essa demanda.

“Esperamos passar de 1.000 motos em operação no Brasil em 2022. Para isso, teremos mais que dobrar o nosso número de funcionários nos próximos meses. O crescimento desse mercado será exponencial daqui para frente”, conta Costa.

A atuação da Riba Brasil no setor fez com que a Island Costa recebesse um prêmio do Salão Latinoamericano do Veículo Elétrico, denominado como “Mão de Ferro da Eletromobilidade “, realizado em setembro, na cidade de São Paulo.

Polo de sustentabilidade

Um dos aspectos que chama a atenção do mercado é o fato da Riba Brasil ser uma empresa mineira, bem longe do principal polo de fabricação de motocicletas do país: a Zona Franca de Manaus. Para Island Costa, o apoio da atual gestão do Governo de Minas à sustentabilidade é decisivo para a manutenção da Riba em terras mineiras.

“Nos últimos três anos, temos visto por parte do Governo de Minas uma grande preocupação em atrair e incentivar negócios sustentáveis, como a produção de energia solar, de insumos para fabricação de baterias etc. Nós até somos questionados por pessoas do setor sobre os motivos de ainda estarmos aqui. Mas pelo que vem sendo feito, o Estado caminha para ter uma cadeia de negócios de sustentabilidade muito forte e, por isso, acreditamos que não há melhor lugar para estarmos”, conclui o executivo. 

Josiane Rafaella Faleiro, a analista de promoção de investimentos do INDI que trabalhou no projeto, reforça. “A Riba Brasil é uma daquelas empresas que nos orgulhamos de atender. É motivo de alegria tê-la em Minas Gerais, não somente pela trajetória de resiliência e sucesso, mas também por fazer parte de um segmento tão relevante para a economia. A mobilidade elétrica fará toda a diferença na vida dos mineiros, ajudando a preservar o meio ambiente para as gerações futuras. Minas Gerais, com a presença da Riba Brasil, caminha para ser um polo dessa área”.

Por Rafael Gomes

Fotos: Riba Brasil / Divulgação