Sindipetro realiza Dia Nacional da Gasolina sem PPI e venda o combustível a R$ 4,40 para motoboys em Caraguatatuba

Nesta quinta-feira (25) o Sindicato dos Petroleiros do Litoral Paulista irá promover o “Dia Nacional da Gasolina sem PPI”. A ação, encabeçada pela Federação Nacional dos Petroleiros e pelo Observatório Social da Petrobrás, vai fornecer gasolina a R$ 4,40 por litro para motoboys. A ação acontecerá de Norte a sul do país e no Litoral Norte, será em Caraguatatuba.

No total, serão disponibilizados três mil litros do combustível para venda em Caraguatatuba, destinados a motoboys e limitado a nove litros por moto. O cadastro para fornecimento dos cupons acontece a partir das 9h em uma tenda ao lado do Auto Posto Britânia (Rua Álvaro Theodoro da Cruz, 415 – Jardim Britânia – Caraguatatuba), onde os motoboys poderão abastecer a R$4,40.

O pagamento deve ser feito no posto de combustível, com a apresentação dos cupons, que serão limitados a nove litros por moto. O objetivo da iniciativa é denunciar, segundo o Sindipetro, como a política de privatização da empresa já gera consequências como os preços abusivos dos combustíveis praticados hoje no Brasil.

A iniciativa visa também denunciar a Política de Preço de Importação (PPI), praticada pela Petrobras. A política adotada no Governo Temer, em 2016, e implantado pelo presidente da Petrobras à época, Pedro Parente, precifica os combustíveis conforme as variações do dólar e do petróleo internacional, somando-se a isso o transporte do exterior até o Brasil e também as taxas de importação, o que tem elevado o preço dos combustíveis e do gás de cozinha.

“Ao contrário do que muita gente pensa, não são os impostos os principais responsáveis pelos preços abusivos dos combustíveis. Os reajustes sucessivos não estão relacionados ao falso aumento de tributos, mas sim à política de preços do PPI”, afirmou o Sindicato.

Em alguns estados a gasolina já está sendo vendida e R$ 7,00 e o gás de cozinha a mais de R$ 100. Esse também é o motivo de muitas famílias cozinharem usando fogão à lenha. Esses trabalhadores não conseguem comprar o gás, que já equivale a quase 10% do valor do salário mínimo.

Apesar de cerca de 80% dos derivados do petróleo serem produzidos hoje no Brasil, o PPI segue o mercado de importação e usa a cotação do barril de petróleo e do dólar, mais os custos da importação, que incluem transporte e taxas portuárias, como principais referências para o cálculo da gasolina, seguro para garantir a estabilidade cambial e do preço do produto durante o tempo de importação e ainda atribui um lucro.

Para reduzir o valor da gasolina, do óleo diesel e do gás de cozinha, os petroleiros defendem o fim da paridade de preços de importação, a suspensão do que chamam de desmonte da Petrobrás (venda de ativos, demissões e outras medidas), bem como a diminuição da importação de derivados e a retomada das obras de ampliação das refinarias para atender o mercado interno e gerar emprego.

Por Radar Litoral