Operação resgata cerca de 300 bezerros em situação de maus-tratos em Cunha, SP

Veterinários, voluntários e organizações estão desde o sábado (5) no resgate dos animais em Cunha. Bezerros estavam em fazenda que vendia investimentos em gado e estavam passando fome e sede, segundo o MP. Dono já foi multado em mais de R$ 900 mil.

Cerca de 300 bezerros em situação de maus-tratos são resgatados em uma fazenda em Cunha, no interior de São Paulo. O gado foi encontrado passando fome e sede após denúncia na última semana, e agora é levado para um hospital veterinário de campanha provisório.

O resgate mobiliza instituições e ambientalistas de todo o Brasil desde o sábado (5), após a Justiça autorizar a ação. A maioria dos bezerros encontrados no local tinha apenas cinco meses.

A fazenda pertence a um grupo que oferecia investimento em gados para engorda, como uma oportunidade lucro no agronegócio “sem colocar os pés na lama” (leia mais abaixo).

Apesar disso, os animais encontrados na fazenda estavam desnutridos, com ossos aparentes, alguns já sem mobilidade. Outros, já estavam mortos. Dos 302 encontrados pela Polícia Ambiental na última quarta-feira (2), restaram 292.

“Achamos animais que tinham sido enterrados recentemente. Os animais estavam em extrema vulnerabilidade, com dificuldade até de resgate. Tivemos alguns que não resistiram e morreram. Estamos mobilizando tudo que podemos para salvá-los e responsabilizar quem fez isso”, afirma a presidente da comissão de direito dos animais da OAB, Erika Sarraipo.

Hospital de campanha

Os bezerros resgatados estão sendo levados a um hospital de campanha montado no recinto de exposições de Cunha, em um espaço cedido pela prefeitura. Os animais são alimentados e outros já foram encaminhados a hospitais veterinários.

O resgate mobilizou muitos ambientalistas, como a influenciadora e defensora da causa animal Luísa Mell, que esteve no local. Ela acompanhou o resgate neste fim de semana e levou cinco dos animais para hospitais na capital.

A ação mobiliza também o Gaema, do Ministério Público, voluntário defensores da causa animal, como o Grupo de Resgate de Animais em Desastres (Grad) e a ONG Arca da Fé, ambos que atuaram no desastre ambiental em Brumadinho (MG), e advogadas ambientalistas.

O MP ingressou com uma ação contra o proprietário do local e contra a empresa pedindo que a guarda dos animais seja destituída diante da situação de maus-tratos. A promotoria também pediu a interdição do sítio para que o local seja impedido de receber novos animais.

O Ministério Público informou que tenta obter verbas para custear o tratamento emergencial e também a autorização de outras áreas com pastagens para que os animais se recuperem com o devido acompanhamento veterinário.

Fazenda é investigada

Os animais foram encontrados pela Polícia Ambiental na última quarta-feira (2) sem acesso a alimentação, água ou suporte veterinário, em situação de abandono. Ao todo, foram localizados 302 bezerros.

Na ocasião, o dono foi multado em R$ 900 mil e a Justiça determinou que desse tratamento aos animais, sob pena de multa diária de R$ 10 mil para cada animal em risco. Apesar da ação, os animais seguiram abandonados e a Justiça autorizou o resgate.

Empresa prometia investimento em gado com lucro na venda após a engorda — Foto: Reprodução
Empresa prometia investimento em gado com lucro na venda após a engorda — Foto: Reprodução

A fazenda faz parte da empresa Mashia Agropecuária. O grupo oferece investimentos em gado de engorda, com pagamento de lucros na venda do animal. Pelas redes sociais, o negócio era oferecido como uma oportunidade investir no agronegócio “sem colocar os pés na lama”.

A empresa vendia os animais por R$ 2 mil e prometia o trabalho e criação com engorda e lucro de R$ 500, para além do investimento, em até 12 meses. Porém, a fazenda não tinha estrutura para a quantidade de animais encontrados, segundo os especialistas.

Animais em situação de extremos maus tratos são encontrados em Cunha-SP — Foto: Divulgação/Polícia Ambiental
Animais em situação de extremos maus tratos são encontrados em Cunha-SP — Foto: Divulgação/Polícia Ambiental

O local não tinha sistema de captação de água para os animais ou equipe de veterinários. Apenas um especialista estava no local para atendimento dos mais de 300 bezerros.

Desde novembro, moradores relataram o abandono e a morte de bovinos por sede e desnutrição.

Com a ação da polícia e do MP, os donos da empresa viraram réus por maus-tratos aos animais. Na sexta-feira, eles perderam a tutela dos bezerros, que agora segue com pessoas ligadas a causa animal.

A reportagem procura os envolvidos para comentar o caso, mas não conseguiu contato até a publicação da reportagem.

Por Poliana Casemiro

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Who we are

Our website address is: http://agazetarm.com.br.

What personal data we collect and why we collect it

Comments

When visitors leave comments on the site we collect the data shown in the comments form, and also the visitor’s IP address and browser user agent string to help spam detection.

An anonymized string created from your email address (also called a hash) may be provided to the Gravatar service to see if you are using it. The Gravatar service privacy policy is available here: https://automattic.com/privacy/. After approval of your comment, your profile picture is visible to the public in the context of your comment.

Media

If you upload images to the website, you should avoid uploading images with embedded location data (EXIF GPS) included. Visitors to the website can download and extract any location data from images on the website.

Contact forms

Cookies

If you leave a comment on our site you may opt-in to saving your name, email address and website in cookies. These are for your convenience so that you do not have to fill in your details again when you leave another comment. These cookies will last for one year.

If you visit our login page, we will set a temporary cookie to determine if your browser accepts cookies. This cookie contains no personal data and is discarded when you close your browser.

When you log in, we will also set up several cookies to save your login information and your screen display choices. Login cookies last for two days, and screen options cookies last for a year. If you select "Remember Me", your login will persist for two weeks. If you log out of your account, the login cookies will be removed.

If you edit or publish an article, an additional cookie will be saved in your browser. This cookie includes no personal data and simply indicates the post ID of the article you just edited. It expires after 1 day.

Embedded content from other websites

Articles on this site may include embedded content (e.g. videos, images, articles, etc.). Embedded content from other websites behaves in the exact same way as if the visitor has visited the other website.

These websites may collect data about you, use cookies, embed additional third-party tracking, and monitor your interaction with that embedded content, including tracking your interaction with the embedded content if you have an account and are logged in to that website.

Analytics

Who we share your data with

How long we retain your data

If you leave a comment, the comment and its metadata are retained indefinitely. This is so we can recognize and approve any follow-up comments automatically instead of holding them in a moderation queue.

For users that register on our website (if any), we also store the personal information they provide in their user profile. All users can see, edit, or delete their personal information at any time (except they cannot change their username). Website administrators can also see and edit that information.

What rights you have over your data

If you have an account on this site, or have left comments, you can request to receive an exported file of the personal data we hold about you, including any data you have provided to us. You can also request that we erase any personal data we hold about you. This does not include any data we are obliged to keep for administrative, legal, or security purposes.

Where we send your data

Visitor comments may be checked through an automated spam detection service.

Your contact information

Additional information

How we protect your data

What data breach procedures we have in place

What third parties we receive data from

What automated decision making and/or profiling we do with user data

Industry regulatory disclosure requirements

Save settings
Cookies settings