Política

Ministério da Saúde investiu R$ 15,4 bilhões em Minas Gerais ao longo de 2023

Os profissionais do Mais Médicos em atuação no estado dobraram e o Farmácia Popular ultrapassou 90% de cobertura, mostram dados apresentados pela ministra Nísia Trindade nesta quinta-feira (8)

Foto: Ricardo Stuckert/PR

Aministra da Saúde, Nísia Trindade, apresentou os principais números e investimentos da Saúde em Minas Gerais ao lado do presidente Lula e outros ministros nessa quinta-feira (8). Durante o evento em Belo Horizonte, Trindade destacou o aumento de 21% no orçamento do estado em 2023 em relação ao ano anterior, chegando a R$ R$ 15,4 bilhões. Neste repasse estão inclusos o valor de R$ 1,1 bilhão para o pagamento do piso da enfermagem e R$ 2 bilhões da ampliação dos recursos para média e alta complexidade em Minas.

Investimento de R$ 410 milhões deve beneficiar 5 milhões de pessoas em Minas

Mais de 1,6 milhão de mineiros serão beneficiados pelas 5 policlínicas aprovadas para o estado nas obras selecionadas pelo Novo PAC Saúde. O investimento será de R$ 112,5 milhões nas cidades de: Sete Lagoas, Governador Valadares, Ipatinga e Santa Luzia. Outros dois projetos de policlínicas foram habilitados e podem ser financiados por investimentos futuros em Patos de Minas e Ituiutaba.

O estado também terá duas novas maternidades com investimento de R$ 300 milhões em Belo Horizonte e Nova Serrana. Nesse caso, 3,7 milhões de pessoas serão beneficiadas no estado. Um Centro de Parto normal está habilitado para futuros investimentos no município de Capelinha.

Pesquisa e inovação

Em outra frente de inovação, o estado terá papel fundamental na retomada da produção integral de insulina no Brasil. Com investimento de R$ 1 bilhão, a nova estrutura fabril da farmacêutica Biomm deve ser inaugurada ainda no primeiro semestre de 2024. O projeto faz parte das iniciativas do Complexo Econômico-Industrial da Saúde (CEIS), que busca retomar a independência nacional na produção de insumos estratégicos para o setor.

Minas também é um importante polo de pesquisa nacional em Saúde, exemplo disso é o estudo pioneiro realizado pela Universidade Federal de Minas Gerais e pela Fundação Oswaldo Cruz para documentar os benefícios da estratégia Wolbachia no combate às arboviroses.

Belo Horizonte é o primeiro município das Américas a realizar um estudo randomizado e controlado para avaliar o impacto do método Wolbachia na redução da incidência de casos de a dengue, zika e chikungunya. Atualmente, a Saúde investe R$ 30 milhões para ampliação do projeto como estratégia adicional de controle da dengue. Uberlândia está entre as novas cidades que receberam a pesquisa.

Confira a apresentação em slide na íntegra

Avanço nas principais agendas do Governo Federal

Todos os principais programas do governo federal também apresentaram avanços significativos no estado. O Mais Médicos, por exemplo, dobrou em número de profissionais em atuação, passando de pouco mais de 1 mil médicos para 2,1 mil nas regiões mineiras. É atendimento ampliado para 7,5 milhões de mineiros. O Farmácia Popular também alcançou novas regiões, chegando a 92% de cobertura no estado. Quase 130 mil pessoas tiveram acesso aos medicamentos e fraldas geriátricas oferecidos pelo programa, chegando a 3,4 milhões beneficiados.

Assim como o restante do país, Minas apresentou reversão da tendência de queda das coberturas vacinais, com aumento na cobertura vacinal em seis dos oito imunizantes recomendados no calendário infantil até 1 ano de idade. A recuperação é fruto dos esforços conjuntos da União, estados e municípios para retomar a imunização de crianças e adolescentes, a partir de estratégias regionais do microplanejamento – para as quais foram repassados R$ 12 milhões, incluindo valores para o estado e os municípios em 2023.

No Programa Nacional de Redução de Filas, o estado reduziu em 79% o número de pacientes em espera por cirurgias eletivas com a realização de 32,4 mil procedimentos ao longo de 2023. Para isso, Minas recebeu R$ 120 milhões. Em outra importante iniciativa, mais 2,5 milhões de pessoas estão cobertas pelo SAMU 192 com 42 novas ambulâncias no estado. Outras 47 estão em processo de habilitação. Além disso, foi implementado o aeromédico para a região metropolitana da capital (parceria SUS – Polícia Rodoviária Federal).

A saúde bucal não ficou de fora dos avanços. O Brasil Sorridente beneficia mais de 21,4 milhões de mineiros e mineiras, com 1.023 novas equipes de saúde bucal credenciadas em 2023, chegando ao total de 3,9 mil no estado.

Durante a cerimônia na capital mineira, a ministra comentou o aumento nos investimentos em saúde. “Aqui em Minas Gerais, como em todo o Brasil, o trabalho do ministério nunca é isolado. Ele depende da proximidade com os secretários de saúde do estado e municipais. Além da participação dos movimentos sociais”, disse.  E, tivemos, satisfatoriamente, esse aumento de 21% das destinações orçamentárias do governo federal para o ano de 2023, o que nos permitiu investir nos principais programas”.

Nísia citou, entre tantos avanços, o Movimento Nacional pela Vacinação que permitiu uma ampliação da cobertura vacinal, em especial no público infantil. “Com todo o esforço realizado, conseguimos essa reversão na tendência de queda da vacinação em nossas crianças“, frisou. “E vamos reafirmar aqui o direito das crianças e adolescentes à vacinação. Isso é um compromisso do nosso governo. Vacina e água potável são os grandes benefícios para aumentar a expectativa de vida”, acrescentou.

Ampliação de estruturas em diversas regiões de Minas Gerais

Em outubro de 2023, a ministra Nísia Trindade participou da inauguração do hospital Sagrada Família em Araguari, no triângulo mineiro. A unidade trará benefício para 1,3 milhão de moradores da região. Ainda no ano passado, foram habilitados no estado 18 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e outros nove têm recursos repassados para construção. Ampliação de atendimento para 1,2 milhão de pessoas, chegando a 5,1 milhões de usuários em Minas.

O Ministério da Saúde também fez 17 novas habilitações de alta complexidade, incluindo oncologia, neurologia, oftalmologia e outros. Ainda passaram a funcionar seis novos serviços de transplantes. Além de três novos centros especializados em reabilitação (CER) – ampliando para 7,8% a cobertura do serviço. Na atenção básica, também foram ampliados os serviços com:

  • 216 novas equipes de Saúde da Família: total de 6,1 mil;
  • 80 novas equipes de Atenção Primária, totalizando 291;
  • 1.031 novos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), totalizando 32 mil.

Acompanhe a transmissão ao vivo

Por Ministério da Saúde