DestaqueSul de Minas

Alunos de Caxambu desenvolve videogame portátil a partir de lixo eletrônico e inspira comunidade escolar

Na Escola Estadual Ruth Martins de Almeida (EERMA), um jovem aluno está causando um grande impacto com sua criatividade e habilidade técnica. Bryan Lucka Pereira Siqueira, de apenas 13 anos e estudante do oitavo ano, não é apenas mais um aluno – ele é um verdadeiro inventor em ascensão. Incentivado pelo seu professor de matemática, Lucas de Oliveira, Bryan embarcou em um projeto inovador que está chamando a atenção de toda a comunidade escolar.

Desde cedo, Bryan demonstrou uma curiosidade inata pelos segredos da tecnologia. Segundo relatos de sua irmã, Maysa, ele sempre esteve fascinado por dispositivos eletrônicos e não poupava esforços para aprender novas técnicas e conceitos, seja através de familiares ou de tutoriais disponíveis no YouTube. Um episódio marcante em sua jornada foi quando encontrou um notebook no lixo, o trouxe para casa, consertou e até mesmo conseguiu vendê-lo – um indício precoce de sua destreza técnica e determinação.

O mais recente feito de Bryan foi a criação de um videogame portátil, totalmente construído a partir de peças de aparelhos eletrônicos descartados. Tudo começou em uma simples conversa ao final de uma aula, quando Bryan teve a oportunidade de conhecer o Anbernic 505, um game portátil utilizado pelo professor Lucas de Oliveira. Fascinado pelo dispositivo e pelo potencial que ele representava, Bryan fez uma promessa ousada: “Não sabia que tinham portáteis assim que rodavam em Android, vou construir um!”. O professor Lucas, longe de desencorajar o aluno, o incentivou: “Claro, Bryan, faça um e traga para me mostrar”.

O sucesso do projeto foi instantâneo. Com um custo aproximado de apenas R$1,00, Bryan utilizou quatro baterias de celulares descartados para alimentar sua criação. Ele soldou essas baterias na placa de um Moto G6 Play irreparável, adicionou um botão de liga/desliga de segurança e um plug de carregamento retirado de um fone sem fio antigo. Tudo foi montado dentro de uma caixa de papelão, que serviu como um estojo improvisado para o dispositivo. Após instalar o sistema operacional compatível com os jogos desejados, Bryan pareou o sistema com um joystick Bluetooth de Xbox. O resultado? Um console portátil sustentável, potente e extremamente acessível.

Batizado de “MotoBoy”, uma homenagem à utilização das peças de um Motorola e uma clara referência ao icônico GameBoy da Nintendo, o videogame portátil de Bryan não apenas demonstra sua habilidade técnica, mas também destaca sua consciência ambiental. Tanto o professor Lucas quanto Bryan iniciaram uma campanha para arrecadar sucata de dispositivos eletrônicos sem conserto, com o objetivo de construir mais dispositivos como o MotoBoy. Esses consoles serão exibidos em futuras feiras de ciências e tecnologia em Caxambu e região, inspirando outros estudantes a explorarem sua criatividade e a promoverem a sustentabilidade.

O feito de Bryan Lucka Pereira Siqueira é um exemplo inspirador do potencial dos jovens quando são incentivados e apoiados em suas paixões. Sua história não apenas ilumina os corredores da EERMA, mas também mostra como a inovação e o compromisso com o meio ambiente podem se fundir em um projeto notável. Enquanto Bryan continua a surpreender e inspirar, sua jornada está apenas começando, prometendo um futuro brilhante repleto de realizações extraordinárias.

Por Lucas de Oliveira